Bem-vinda a retomada das relações entre Arábia Saudita e Irã

11/03/2023

Os palestinos e seus descendentes em todo o mundo recebem com entusiasmo a retomada
das relações diplomáticas e políticas entre Arábia Saudita e Irã e saúdam os dois países por esta
importante conquista, que representa uma derrota às políticas imperiais dos EUA e de seus
aliados, notadamente o regime racista de Israel, os únicos beneficiários das hostilidades entre os
países do Oriente Médio.

A separação irracional entre os países da região só trouxe atrasos econômicos e sociais,
democráticos e tecnológicos, além de guerras destrutivas que até agora consomem, em
escombros e cadáveres, Iraque, Síria, Yemen e Líbia, além da ocupação da Palestina, que já dura
75 anos, da desestabilização do Líbano e dos prejuízos econômicos provocados a outros países que
perdem comércio com seus vizinhos em virtude das guerras, a Jordânia um forte exemplo.

Os países da região, árabes e não árabes, com destaque para Irã e Turquia, só alcançarão
a plenitude de suas potencialidades se cessarem suas hostilidades, que não atendem seus
interesses legítimos, mas apenas aos de seus inimigos e adversários. A cessação destas e das
guerras delas decorrentes trará uma nova era de paz e prosperidade para todos os povos destes
países e, seguramente, facilitará a solução da Questão Palestina, resultado num Estado
Palestino soberano, com Jerusalém sua capital, com retorno dos refugiados, laico e democrático,
pacífico, seguro e próspero, baseado no respeito aos direitos humanos e às liberdades civis.

A retomada dos laços entre Arábia Saudita e Irã é uma nítida derrota à política
divisionista de Israel, bem como coloca em xeque as falidas normalizações deste regime de
apartheid com alguns estados da região. E, mais, torna mais independentes as duas potências que
se reencontram, Arábia Saudita e Irã, indiscutivelmente os mais importantes países da região,
agora livres para trabalharem pelos seus desenvolvimentos soberanos e pela pacificação regional.

Por fim, acabará a hostilidade artificialmente criada e insuflada entre xiitas e
sunitas, cedendo a um novo tempo, de cooperação na região e no seio das nações de maioria
islâmica, cujos professantes totalizam, no mundo, mais de 1,8 bilhão, um mercado gigantesco.
Arábia Saudita e Irã anunciam um novo mundo, multipolar, no qual a cooperação substituirá
as guerras imperialistas e o unilateralismo das sanções, que matam mais do que as guerras.

Palestina Livre a partir do Brasil, 10 de março de 2023, 75º ano da Nakba.

Notícias em destaque

29/11/2023

Palestina vive genocídio maior que o da 2ª Guerra Mundial

Em 50 dias de matança na Palestina, a palavra genocídio saiu da masmorra [...]

LER MATÉRIA
22/11/2023

Cessar-fogo não pode ser o interlúdio do genocídio palestino.

O que é um “cessar-fogo temporário”? Um intervalo no genocídio [...]

LER MATÉRIA
12/11/2023

As ambições extremas dos colonos na Cisjordânia

Por Isaac Chotiner Durante décadas, Daniella Weiss foi uma das lideranças [...]

LER MATÉRIA
08/11/2023

FEPAL vai ao MPF contra Carla Zambelli por incitação ao extermínio do povo palestino

A Federação Árabe Palestina do Brasil (FEPAL) protocolizou, hoje, 08, uma [...]

LER MATÉRIA
07/11/2023

ARRECADAÇÃO PARA OS BRASILEIRO-PALESTINOS DE GAZA

34 brasileiro-palestinos são reféns de “israel” em Gaza em meio [...]

LER MATÉRIA
03/11/2023

Motivos para Brasil e o mundo romperem com o “israel”

O Brasil e o mundo não podem seguir fazendo de conta que o regime sionista [...]

LER MATÉRIA