Federação Palestina pede a países árabes e islâmicos rompimento de relações com Israel

18/05/2021

Atos que reinvindicam fidelidade à Palestina vêm sendo reforçados desde o ano passado, quando países como EAU e Bahrein normalizaram relações com Israel [Jaafar Ashtiyeh/AFP]

A Federação Áraba Palestina do Brasil – FEPAL quer países árabes e de maioria islâmica que mantêm relações com Israel rompam com o regime israelense para forçá-lo a cessar a agressão aos palestinos e reconhecer a Palestina como estado soberano.

Os pedidos foram endereçados em cartas enviadas à Liga dos Estados Árabes e à Organização para a Cooperação Islâmica, bem como diretamente aos países árabes que têm relações diplomáticas ou vivem processo de normalização com Israel (Egito, Jordânia, Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Marrocos e Sudão) e à Turquia, neste caso por ser país de maioria islâmica no Oriente Médio.

Na carta a entidade palestino-brasileira diz que a Palestina “vive 73 anos de ocupação, genocídio, limpeza étnica e apartheid, hoje agravados por violência sem igual de Israel contra o povo palestino, em pleno mês de Ramadã”, e que, por isso, somente com uma nova visão árabe e islâmica será possível dobrar Israel no caminho do reconhecimento da Palestina.

Para a FEPAL, é também motivo para que estes países rompam suas relações com Israel o fato de Jerusalém estar “sob processo de despalestinização, desislamização e descristianização, para sua integral judaização”, assim como Gaza viver “experimento genocida a distância”, alusão ao bloqueio a essa faixa costeira palestina que vive bloqueio israelense desde 2007.

Além do rompimento das relações diplomáticas e econômicas, os palestino-brasileiros querem que estes países apoiem a “resistência pacífica do povo palestino”, pressionem para que o Tribunal Penal Internacional “acelere e aprofunde as investigações dos crimes de guerra e de lesa humanidade de Israel”, adotem a ação global que pede por “boicote, desinvestimento e sanções a Israel” e, por fim, que façam pressões diplomáticas para que EUA e outros países condenem Israel por seus crimes na Palestina.

No último final de semana, manifestantes no mundo todo foram às ruas para pedir liberdade e justiça para a Palestina e boicotes a Israel

Segundo o presidente da FEPAL, Ualid Rabah, foram exatamente estas ações que levaram ao fim de regimes sanguinários, dentre eles o da África do Sul do apartheid. “Enquanto persistirem o silêncio da comunidade internacional e o veto dos EUA no Conselho de Segurança da ONU, garantindo a impunidade de Israel, não haverá solução e os crimes na Palestina e na região não terão fim”, argumenta.

Rabah considera, ainda, que os países que selaram a paz com Israel não obtiveram nenhum benefício real disso e o mesmo acontecerá com os países da região que hoje flertam com a normalização com o regime israelense. Além do mais, pondera Rabah, esses processos de paz não levaram a paz à Palestina, como se supunha. “Ao contrário, Israel aumentou a ocupação e os crimes na Palestina, bem como aumentou suas ações de guerra e de interferência nos assuntos de todos os países da região, com processos desestabilizadores que hoje custam centenas de milhares de vidas”, diz presidente da FEPAL.

Para o dirigente palestino-brasileiro, esses acordos de paz ou de normalização nunca levaram a uma verdadeira pacificação entre Israel e os países árabes que os assinaram. Em sua visão, basta ver como reagem os povos dos países árabes em relação a isso. “Um turista israelense praticamente se esconde no Egito ou na Jordânia, o que nos leva a perguntar que tipo de paz é essa”, questiona.

De acordo com dados da Agência Palestina Wafa, até o momento 236 palestinos foram assassinados por Israel, com 6.278 feridos. Entre os mortos estão 61 crianças e 36 mulheres.

Notícias em destaque

27/05/2024

Repórteres Sem Fronteiras apresenta terceira queixa ao TPI sobre crimes de guerra israelenses contra jornalistas em Gaza

Apresentada em 24 de Maio, três dias antes do nono aniversário da Resolução [...]

LER MATÉRIA
26/05/2024

A humanidade precisa parar “israel” como parou o nazismo: pelas armas

Os horrores testemunhados pela humanidade hoje, em Rafah, extremidade sul [...]

LER MATÉRIA
15/05/2024

Ato na Assembleia Legislativa de SP relembra 76 anos da Nakba denuncia genocídio na Palestina

Na segunda-feira à noite, mais de duzentas pessoas, dezenas delas [...]

LER MATÉRIA
11/04/2024

Caiado e Tarcísio em Israel: uma viagem muito estranha e sem respostas.

Uma viagem estranha, que teve por objetivo inicial prestar apoio e [...]

LER MATÉRIA
05/04/2024

Prefeitura de São Leopoldo reinaugura Praça Palestina.

Nesta terça-feira, 2 de abril, realizou-se a cerimônia de entrega da obra [...]

LER MATÉRIA
01/04/2024

Lula é agraciado com comenda Hanna Safieh de Direitos Humanos, um dos fundadores da FEPAL

O professor de origem palestina Hanna Safieh, um dos mais importantes [...]

LER MATÉRIA