Governo Palestino: decisão britânica sobre Hamas é subordinação a Israel

22/11/2021

Declaração foi feita semanas depois do encontro entre os primeiros-ministros Naftali Bennet e Boris Johnson na COP26

O Ministério das Relações Exteriores e Expatriados da Palestina condenou a decisão do governo britânico de considerar o Hamas uma organização terrorista e classificou a medida “um atentado injustificado ao povo palestino, sujeito às mais hediondas formas de ocupação e injustiças históricas, instituídas pela nada auspiciosa Declaração de Balfour, ato inglês que levou à expulsão dos palestinos de sua terra natal e ao exílio, preço que pagam até os dias de hoje”.

Para o MRE palestino, a promessa britânica de 1917, de fazer da Palestina um “lar judeu” para estrangeiros de fé judaica, impôs ao povo palestino a perda de sua terra e da vida e do futuro de gerações. Este é o “resultado da ocupação contínua, assentamento, deslocamento forçado, punição coletiva e perseguição” aponta o MRE palestino.

A chancelaria palestina lamenta que a decisão britânica tenha vindo à luz uma semana após o primeiro-ministro israelense ter pedido ao seu homólogo britânico, Boris Johnson, à margem da Cúpula do Clima em Glasgow (Escócia), para designar o Hamas como uma organização terrorista. A nota ministerial lembrou que Johnson visitou recentemente os assentamentos israelenses nas Colinas de Golan (território sírio ocupado em 1967 e anexado por Israel) em coordenação com o conselho de assentamentos (israelense), sem obter sequer a aprovação de seu próprio governo.

Desta vez, porém, a situação é mais grave, pois, aponta o MRE palestino, porque “há aprovação para esta medida de seu governo, um reflexo de perigosa mudança na política tradicional britânica em relação ao conflito palestino-israelense, ao adotar posições israelenses sob justificativas e argumentos frágeis”.

O MRE palestino pede ao governo britânico que cesse a política de dois pesos e duas medidas e revogue imediatamente essa decisão, ao mesmo tempo que estudará junto às autoridades competentes os efeitos e repercussões dessa decisão nas relações bilaterais entre palestinos e britânicos e seu impacto no papel da Grã-Bretanha na região, especialmente na limitação de sua contribuição futura para qualquer processo político possível.

* Com informações da agência de notícias palestina Wafa

Notícias em destaque

15/05/2024

Ato na Assembleia Legislativa de SP relembra 76 anos da Nakba denuncia genocídio na Palestina

Na segunda-feira à noite, mais de duzentas pessoas, dezenas delas [...]

LER MATÉRIA
11/04/2024

Caiado e Tarcísio em Israel: uma viagem muito estranha e sem respostas.

Uma viagem estranha, que teve por objetivo inicial prestar apoio e [...]

LER MATÉRIA
05/04/2024

Prefeitura de São Leopoldo reinaugura Praça Palestina.

Nesta terça-feira, 2 de abril, realizou-se a cerimônia de entrega da obra [...]

LER MATÉRIA
01/04/2024

Lula é agraciado com comenda Hanna Safieh de Direitos Humanos, um dos fundadores da FEPAL

O professor de origem palestina Hanna Safieh, um dos mais importantes [...]

LER MATÉRIA
28/03/2024

“O limiar que indica a prática de genocídio por Israel foi atingido”, indica ONU

Na terça-feira, 26, a Comissão de Direitos Humanos da ONU apresentou o [...]

LER MATÉRIA
21/03/2024

Em tempos de genocídio na Palestina, FEPAL convoca seu 11º Congresso.

A direção da FEPAL – Federação Árabe Palestina do Brasil anuncia a [...]

LER MATÉRIA