Não há mais como negar o apartheid israelense

17/02/2022

Relatório da Anistia Internacional soma-se a uma extensa lista de publicações, convenções e resoluções sobre os crimes contra a humanidade cometidos por Israel na Palestina

A Anistia Internacional, uma das maiores ONGs de direitos humanos do mundo, publicou no último dia 1º de fevereiro o relatório “O apartheid israelense contra a população palestina”.

O documento de 280 páginas analisa em detalhes o cruel sistema de opressão e dominação imposto pelo governo israelense contra a população árabe palestina, em benefício da população judaica da região.

Segundo o relatório, os principais componentes deste crime contra a humanidade são: a fragmentação territorial, segregação e controle, desapropriação de terras e propriedades e a negação de direitos econômicos e sociais.

Tudo isso feito sistematicamente, sob controle do Estado.

Para a Anistia Internacional, e para esta Federação Árabe Palestina do Brasil e todo o movimento global pela libertação da Palestina, está na hora de Israel desmantelar este sistema!

Está na hora de a comunidade internacional pressionar Israel pelo fim do apartheid!

Baixe aqui o relatório completo: em espanhol | em inglês

E leia no site da Anistia Internacional (em espanhol) o excelente texto de lançamento da campanha contra o apartheid israelense

Pilha de provas e denúncias

O relatório da Anistia Internacional soma-se a uma extensa lista de publicações, convenções e resoluções feitas nas últimas décadas sobre os crimes de apartheid e limpeza étnica cometidos por Israel.

“O relatório coroa o acúmulo de provas sobre o apartheid, comprovado e denunciado já há décadas por inúmeras organizações, estudos independentes de observadores internacionais e até mesmo entidades e intelectuais israelenses”, avalia o presidente da FEPAL, Ualid Rabah.

“Mesmo que não seja uma novidade, é de extrema relevância para a opinião pública em geral e para a comunidade internacional ver agora este pronunciamento oficial por parte da maior organização civil de direitos humanos do mundo”, completa.

Em julho do ano passado, a ONG Human Rights Watch, outra gigante global na defesa dos direitos humanos, denunciou os crimes de Israel num relatório de 213 páginas chamado “Um limite ultrapassado: autoridades israelenses e os crimes de apartheid e perseguição”.

Em 2020, a ONG israelense B’Tselem foi outra a admitir, após resistir por anos a esta classificação, que há “Um regime de supremacia judaica do Rio Jordão ao Mediterrâneo: o apartheid” em todo o território da Palestina histórica.

O texto original traduzido foi publicado neste site da FEPAL (leia).

Este são apenas exemplos recentes. Em 2004, a Corte Internacional de Justiça de Haia, na Holanda, declarou que o muro construído por Israel na Cisjordânia viola as leis internacionais e promove o apartheid, exortando a ONU a tomar medidas para interromper a construção.

A barreira de 760 km, que em alguns pontos chega a 8 metros de altura, está em constante expansão e é mundialmente conhecido como o “muro do apartheid”.

Declarado ilegal pela Corte Internacional de Justiça (CIJ), muro construído por Israel na Cisjordânia é um dos maiores símbolos do apartheid (Foto: Abbas Momani/AFP)

Richard Falk, professor emérito de direito internacional na Universidade de Princeton e ex-relator especial da ONU sobre a situação dos territórios palestinos ocupados, também classificou como apartheid, em 2014, a opressão sistemática do povo palestino por Israel.

Durante seis anos ele coordenou um relatório independente sobre o tema para o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, que posteriormente seria descartado pelo órgão por pressão de Israel e seus aliados.

Ainda antes, em 2008, Falk, um judeu estadunidense, comparou as ações das forças israelenses na Faixa de Gaza à dos nazistas na Europa durante a Segunda Guerra.

Até mesmo um escritor brasileiro, também judeu, já denunciara este crime.

No seu livro-reportagem “O apartheid de Israel” (Editora Alfa Omega, 2001), Nathaniel Braia remonta a violenta história da ocupação colonial da Palestina e da expulsão de sua população autóctone da região, reconhecida até mesmo pelos tribunais locais e cofinanciada pela maior potência militar e econômica do mundo, os EUA.

Braia, que hoje é redator para questões internacionais no jornal Hora do Povo, viveu em Israel e militou em grupos anti-sionistas. Ele foi preso seis vezes, todas por se recusar a servir ao exército israelense.

A reação previsível de Israel

Antes mesmo de o relatório ser publicado, Israel já havia o classificado como antissemita, numa estratégia cada vez mais batida de tentar desviar o foco das acusações.

Em comunicado à imprensa, o chefe da diplomacia israelense, Yair Lapid, pediu que a AI não publicasse o relatório, acusando a ONG de “não ser uma organização de direitos humanos, mas uma organização radical”.

De Jerusalém, a secretária-geral da ONG, Agnès Callamard, respondeu as acusações, mantendo a publicação do relatório.

“O relatório é resultado de quatro anos de trabalho, pesquisa e comprometimento com a base do movimento Anistia. Temos 70 seções no mundo representando 10 milhões de pessoas que apoiam este relatório e estão prontas para sua publicação”, afirmou.

Para o presidente da FEPAL, a banalização do “antissemitismo”, usado reiteradamente por Israel como um escudo para ocultar seus crimes, desmoraliza o termo e coloca em risco seu próprio significado.

“Esta alegação indiscriminada e indevida de ‘antissemitismo’ já soa quase como uma fake news quando é proferida pelas autoridades israelenses”, avalia Ualid.

“Essa banalização tem de ser combatida por todos, inclusive para preservar o seu valor simbólico, para que as pessoas de fé judaica jamais voltem a sofrer os crimes e perseguições que sofreram, e que hoje nós palestinos sofremos justamente nas mãos daqueles que instrumentalizam esse conceito”, conclui.

Assista abaixo o vídeo oficial de lançamento da campanha da Anistia Internacional, legendado e publicado pela FEPAL em suas redes:

Notícias em destaque

21/07/2022

RS terá dia e mês da Comunidade Árabe

O que já é uma data no calendário nacional – a Lei Federal nº 11764/08 [...]

LER MATÉRIA
07/07/2022

Sessão Solene na Câmara dos Deputados lembra os 74 anos da catástrofe palestina

Em sessão solene realizada ontem, quarta-feira, às 11 horas, a Câmara dos [...]

LER MATÉRIA
05/07/2022

O ressurgimento da esquerda na América Latina desperta esperanças de solidariedade à Palestina

Em profundidade: Nos últimos anos, muitos países da América Latina evitaram [...]

LER MATÉRIA
27/06/2022

ONG palestina denuncia Israel por tortura sistemática aos prisioneiros palestinos

A Iniciativa Palestina para a Promoção do Diálogo Global e a Democracia [...]

LER MATÉRIA
24/06/2022

ONG palestina de direitos humanos Al-Haq recebe prêmio internacional na Áustria

A organização palestina de direitos humanos Al-Haq, sediada em Ramallah, [...]

LER MATÉRIA
15/06/2022

FEPAL discute Questão Palestina com Guilherme Boulos

A vice-presidente da Federação Árabe Palestina do Brasil – FEPAL, [...]

LER MATÉRIA