Não há mais como negar o apartheid israelense

17/02/2022

Relatório da Anistia Internacional soma-se a uma extensa lista de publicações, convenções e resoluções sobre os crimes contra a humanidade cometidos por Israel na Palestina

A Anistia Internacional, uma das maiores ONGs de direitos humanos do mundo, publicou no último dia 1º de fevereiro o relatório “O apartheid israelense contra a população palestina”.

O documento de 280 páginas analisa em detalhes o cruel sistema de opressão e dominação imposto pelo governo israelense contra a população árabe palestina, em benefício da população judaica da região.

Segundo o relatório, os principais componentes deste crime contra a humanidade são: a fragmentação territorial, segregação e controle, desapropriação de terras e propriedades e a negação de direitos econômicos e sociais.

Tudo isso feito sistematicamente, sob controle do Estado.

Para a Anistia Internacional, e para esta Federação Árabe Palestina do Brasil e todo o movimento global pela libertação da Palestina, está na hora de Israel desmantelar este sistema!

Está na hora de a comunidade internacional pressionar Israel pelo fim do apartheid!

Baixe aqui o relatório completo: em espanhol | em inglês

E leia no site da Anistia Internacional (em espanhol) o excelente texto de lançamento da campanha contra o apartheid israelense

Pilha de provas e denúncias

O relatório da Anistia Internacional soma-se a uma extensa lista de publicações, convenções e resoluções feitas nas últimas décadas sobre os crimes de apartheid e limpeza étnica cometidos por Israel.

“O relatório coroa o acúmulo de provas sobre o apartheid, comprovado e denunciado já há décadas por inúmeras organizações, estudos independentes de observadores internacionais e até mesmo entidades e intelectuais israelenses”, avalia o presidente da FEPAL, Ualid Rabah.

“Mesmo que não seja uma novidade, é de extrema relevância para a opinião pública em geral e para a comunidade internacional ver agora este pronunciamento oficial por parte da maior organização civil de direitos humanos do mundo”, completa.

Em julho do ano passado, a ONG Human Rights Watch, outra gigante global na defesa dos direitos humanos, denunciou os crimes de Israel num relatório de 213 páginas chamado “Um limite ultrapassado: autoridades israelenses e os crimes de apartheid e perseguição”.

Em 2020, a ONG israelense B’Tselem foi outra a admitir, após resistir por anos a esta classificação, que há “Um regime de supremacia judaica do Rio Jordão ao Mediterrâneo: o apartheid” em todo o território da Palestina histórica.

O texto original traduzido foi publicado neste site da FEPAL (leia).

Este são apenas exemplos recentes. Em 2004, a Corte Internacional de Justiça de Haia, na Holanda, declarou que o muro construído por Israel na Cisjordânia viola as leis internacionais e promove o apartheid, exortando a ONU a tomar medidas para interromper a construção.

A barreira de 760 km, que em alguns pontos chega a 8 metros de altura, está em constante expansão e é mundialmente conhecido como o “muro do apartheid”.

Declarado ilegal pela Corte Internacional de Justiça (CIJ), muro construído por Israel na Cisjordânia é um dos maiores símbolos do apartheid (Foto: Abbas Momani/AFP)

Richard Falk, professor emérito de direito internacional na Universidade de Princeton e ex-relator especial da ONU sobre a situação dos territórios palestinos ocupados, também classificou como apartheid, em 2014, a opressão sistemática do povo palestino por Israel.

Durante seis anos ele coordenou um relatório independente sobre o tema para o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, que posteriormente seria descartado pelo órgão por pressão de Israel e seus aliados.

Ainda antes, em 2008, Falk, um judeu estadunidense, comparou as ações das forças israelenses na Faixa de Gaza à dos nazistas na Europa durante a Segunda Guerra.

Até mesmo um escritor brasileiro, também judeu, já denunciara este crime.

No seu livro-reportagem “O apartheid de Israel” (Editora Alfa Omega, 2001), Nathaniel Braia remonta a violenta história da ocupação colonial da Palestina e da expulsão de sua população autóctone da região, reconhecida até mesmo pelos tribunais locais e cofinanciada pela maior potência militar e econômica do mundo, os EUA.

Braia, que hoje é redator para questões internacionais no jornal Hora do Povo, viveu em Israel e militou em grupos anti-sionistas. Ele foi preso seis vezes, todas por se recusar a servir ao exército israelense.

A reação previsível de Israel

Antes mesmo de o relatório ser publicado, Israel já havia o classificado como antissemita, numa estratégia cada vez mais batida de tentar desviar o foco das acusações.

Em comunicado à imprensa, o chefe da diplomacia israelense, Yair Lapid, pediu que a AI não publicasse o relatório, acusando a ONG de “não ser uma organização de direitos humanos, mas uma organização radical”.

De Jerusalém, a secretária-geral da ONG, Agnès Callamard, respondeu as acusações, mantendo a publicação do relatório.

“O relatório é resultado de quatro anos de trabalho, pesquisa e comprometimento com a base do movimento Anistia. Temos 70 seções no mundo representando 10 milhões de pessoas que apoiam este relatório e estão prontas para sua publicação”, afirmou.

Para o presidente da FEPAL, a banalização do “antissemitismo”, usado reiteradamente por Israel como um escudo para ocultar seus crimes, desmoraliza o termo e coloca em risco seu próprio significado.

“Esta alegação indiscriminada e indevida de ‘antissemitismo’ já soa quase como uma fake news quando é proferida pelas autoridades israelenses”, avalia Ualid.

“Essa banalização tem de ser combatida por todos, inclusive para preservar o seu valor simbólico, para que as pessoas de fé judaica jamais voltem a sofrer os crimes e perseguições que sofreram, e que hoje nós palestinos sofremos justamente nas mãos daqueles que instrumentalizam esse conceito”, conclui.

Assista abaixo o vídeo oficial de lançamento da campanha da Anistia Internacional, legendado e publicado pela FEPAL em suas redes:

Notícias em destaque

27/05/2024

Repórteres Sem Fronteiras apresenta terceira queixa ao TPI sobre crimes de guerra israelenses contra jornalistas em Gaza

Apresentada em 24 de Maio, três dias antes do nono aniversário da Resolução [...]

LER MATÉRIA
26/05/2024

A humanidade precisa parar “israel” como parou o nazismo: pelas armas

Os horrores testemunhados pela humanidade hoje, em Rafah, extremidade sul [...]

LER MATÉRIA
15/05/2024

Ato na Assembleia Legislativa de SP relembra 76 anos da Nakba denuncia genocídio na Palestina

Na segunda-feira à noite, mais de duzentas pessoas, dezenas delas [...]

LER MATÉRIA
11/04/2024

Caiado e Tarcísio em Israel: uma viagem muito estranha e sem respostas.

Uma viagem estranha, que teve por objetivo inicial prestar apoio e [...]

LER MATÉRIA
05/04/2024

Prefeitura de São Leopoldo reinaugura Praça Palestina.

Nesta terça-feira, 2 de abril, realizou-se a cerimônia de entrega da obra [...]

LER MATÉRIA
01/04/2024

Lula é agraciado com comenda Hanna Safieh de Direitos Humanos, um dos fundadores da FEPAL

O professor de origem palestina Hanna Safieh, um dos mais importantes [...]

LER MATÉRIA