Rei jordaniano é elogiado por defender direitos dos cristãos em Jerusalém

06/10/2022

Abadia da Dormição, na Cidade Velha de Jerusalém, já foi pichada com frases anticristãs (Foto ©Eldadc1, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons)

Os patriarcas e líderes das igrejas cristãs em Jerusalém elogiaram o rei Abdullah II da Jordânia por chamar a atenção para o que eles dizem ser “a deterioração da situação dos direitos humanos básicos” dos cristãos na cidade e em toda a chamada Terra Santa, revelou a agência católica asiática UCA News.

“Hoje, o cristianismo na Cidade Santa está sob fogo. Os direitos das igrejas em Jerusalém estão ameaçados. Isso não pode continuar. O cristianismo é vital para o passado e o presente da nossa região e da Terra Santa. Deve continuar a ser parte integrante do nosso futuro”, afirmou o rei jordaniano, no seu discurso na Assembleia Geral da ONU em 20 de setembro.

Esta afirmação recebeu o aplauso dos líderes cristãos de Jerusalém, num comunicado publicado a 27 de setembro. Para os patriarcas e chefes das igrejas em Jerusalém — ortodoxos, ortodoxos orientais, católicos, anglicanos e protestantes — a descrição feita pelo rei é “verdadeira e honesta da realidade cristã na Terra Santa, especialmente em Jerusalém”, motivando o seu agradecimento.

“Também aplaudimos o compromisso público de Sua Majestade de proteger o status quo histórico e legal das nossas comunidades, preservando assim nossa segurança e futuro”, disseram os líderes religiosos. “Os esforços de sua majestade para tocar os sinos de alerta sobre a deterioração da situação dos direitos humanos básicos cristãos envia uma forte mensagem ao mundo sobre os perigos claros e presentes que cercam a herança e a presença cristã em Jerusalém e no resto da Terra Santa”, apontaram, citados pela agência.

“Cidade Santa não deve ser um lugar para ódio e divisão”

Segundo a mesma fonte, Abdullah tinha defendido nas Nações Unidas que “a cidade é sagrada para milhões de muçulmanos, cristãos e judeus em todo o mundo”. Para o rei, qualquer política ou desenvolvimento que prejudique o “status quo legal e histórico de Jerusalém desencadeia tensões globais e aprofunda divisões religiosas. A Cidade Santa não deve ser um lugar para ódio e divisão”.

O rei Abdullah, que continua a reivindicar o título tradicional de guardião dos locais sagrados muçulmanos e cristãos de Jerusalém, há muito que se queixa de que Israel está a violar os acordos vigentes ao permitir colonatos judeus em bairros tradicionalmente cristãos e muçulmanos e, mais recentemente, ao não aplicar o acordo de uma lei de 1967 que permite aos judeus visitar o complexo ao redor da mesquita de Al-Aqsa, mas sem rezarem no local. Os judeus referem-se à área como o Monte do Templo, o local dos antigos templos judaicos.

Fonte: 7 Margens – diário digital de religiões, espiritualidades e culturas

Notícias em destaque

27/05/2024

Repórteres Sem Fronteiras apresenta terceira queixa ao TPI sobre crimes de guerra israelenses contra jornalistas em Gaza

Apresentada em 24 de Maio, três dias antes do nono aniversário da Resolução [...]

LER MATÉRIA
26/05/2024

A humanidade precisa parar “israel” como parou o nazismo: pelas armas

Os horrores testemunhados pela humanidade hoje, em Rafah, extremidade sul [...]

LER MATÉRIA
15/05/2024

Ato na Assembleia Legislativa de SP relembra 76 anos da Nakba denuncia genocídio na Palestina

Na segunda-feira à noite, mais de duzentas pessoas, dezenas delas [...]

LER MATÉRIA
11/04/2024

Caiado e Tarcísio em Israel: uma viagem muito estranha e sem respostas.

Uma viagem estranha, que teve por objetivo inicial prestar apoio e [...]

LER MATÉRIA
05/04/2024

Prefeitura de São Leopoldo reinaugura Praça Palestina.

Nesta terça-feira, 2 de abril, realizou-se a cerimônia de entrega da obra [...]

LER MATÉRIA
01/04/2024

Lula é agraciado com comenda Hanna Safieh de Direitos Humanos, um dos fundadores da FEPAL

O professor de origem palestina Hanna Safieh, um dos mais importantes [...]

LER MATÉRIA