Repórteres Sem Fronteiras apresenta terceira queixa ao TPI sobre crimes de guerra israelenses contra jornalistas em Gaza

A Repórteres Sem Fronteiras (RSF) apresentou a sua terceira queixa ao Tribunal Penal Internacional sobre crimes de guerra de "israel" contra jornalistas, esta pedindo ao procurador que investigue crimes contra pelo menos nove repórteres palestinos entre 15 de Dezembro e 20 de Maio, bem como, de forma mais ampla, os mais de 100 jornalistas que as Forças de Defesa de "israel" (IDF) mataram desde 7 de Outubro em Gaza.

27/05/2024

Apresentada em 24 de Maio, três dias antes do nono aniversário da Resolução 2222 do Conselho de Segurança da ONU sobre a proteção de jornalistas em tempos de guerra, a última queixa da RSF surge poucos dias depois de o procurador do TPI ter emitido os seus primeiros pedidos de mandados de detenção relacionados com o conflito em Gaza.

A queixa reitera o pedido da RSF ao procurador para cumprir o artigo 15 do Estatuto de Roma do TPI, dando prioridade à investigação dos crimes das FDI contra jornalistas em Gaza desde 7 de Outubro.

A RSF apresentou esta terceira queixa ao TPI com sede em Haia porque o número de jornalistas mortos em Gaza pelas IDF (Forças Armadas Israelense) continua a crescer depois de  ultrapassar a marca dos 100 , numa erradicação dos meios de comunicação palestinos.

A denúncia, que se segue às apresentadas em  31 de Outubro22 de Dezembro , detalha oito novos casos de jornalistas palestinos mortos entre 20 de Dezembro e 20 de Maio, bem como o caso de um jornalista que ficou ferido. Todos os jornalistas envolvidos foram mortos (ou feridos)  no exercício do seu trabalho . A RSF tem motivos razoáveis ​​para pensar que alguns destes jornalistas foram mortos deliberadamente e que os outros foram vítimas de ataques deliberados das IDF (Forças Armadas Israelenses) contra civis.

” A impunidade põe em perigo os jornalistas não só na Palestina, mas também em todo o mundo. Aqueles que matam jornalistas estão a atacar o direito do público à informação, que é ainda mais essencial em tempos de conflito. Eles devem ser responsabilizados, e a RSF continuará a trabalhar nesse sentido. final, em solidariedade com os repórteres de Gaza.”
Antonio Bernardo
Diretor de defesa e assistência da RSF

 

Numa mensagem enviada à RSF em 5 de Janeiro, o gabinete do procurador do TPI  afirmou pela primeira vez que os crimes contra jornalistas estão incluídos na sua investigação sobre a Palestina. Além de apresentar os nove casos, a RSF reiterou o seu pedido ao procurador para investigar as mortes de todos os jornalistas mortos pelas Forças Armadas Israelenses em Gaza desde 7 de Outubro.

Os jornalistas mencionados nesta queixa incluem  Mustapha Thuraya Hamza al-Dahdouh, dois repórteres freelance que trabalhavam para  a Al Jazeera em Rafah quando foram mortos por um ataque direccionado de drones israelitas ao seu veículo, em 7 de Janeiro.  Hazem Rajab, um terceiro jornalista ferido neste ataque, está incluído na denúncia. As Forças Armadas Israelenses emitiram uma declaração em 10 de Janeiro alegando que uma aeronave israelita “dirigida por tropas tinha como alvo os operadores de um drone, representando uma ameaça para os nossos soldados”, referindo-se a um drone usado por Thuraya.

Mesmo assim , imagens de vídeo gravadas pelo drone de Thuraya e publicadas pelo  Washington Post indicavam apenas uso jornalístico e nada de natureza militar.

A denúncia também cita os casos do  repórter do site  Hadaf News, Ahmed Badir, que foi morto por um ataque aéreo na entrada do Hospital Shuhada al-Aqsa, em Deir al-Balah, no dia 10 de janeiro;  o correspondente  da Agência de Notícias Kan’an, Yasser Mamdouh, que foi morto perto do Hospital Al-Nasser em Khan Yunis em 11 de fevereiro;  Ayat Khadoura, um videoblogueiro independente morto por um ataque israelense em sua casa em 20 de novembro, logo após postar um vídeo;  Yazan Emad Al-Zwaidi, cinegrafista do canal egípcio de notícias de TV via satélite  Al Ghad , que foi morto em 14 de janeiro quando um ataque israelense atingiu o grupo de civis com quem ele estava em Beit Hanoun;  Ahmed Fatima, jornalista do  canal de TV Al Qahera News , que foi morto durante um bombardeio em Khan Yunis, em 13 de novembro; e  Rami Bdeir, repórter do meio de comunicação palestino  New Press, que foi morto durante um bombardeio israelense em Khan Yunis, em 15 de dezembro.

A Resolução 2222,  resolução do Conselho de Segurança da ONU sobre a protecção dos jornalistas em tempos de guerra, adotada há exatamente nove anos, em 27 de Maio de 2015, sublinha a importância de processar e punir os crimes de guerra contra os jornalistas.

Publicação original em https://rsf.org/en/rsf-files-third-complaint-icc-about-israeli-war-crimes-against-journalists-gaza

Notícias em destaque

24/06/2024

DA REPATRIAÇÃO ILEGAL DA FAMÍLIA PALESTINO-MALAIA À CONSTRUÇÃO DO TOTALITARISMO NO BRASIL

Sobre a repatriação, ontem, por ordem judicial, do cidadão palestino Muslim [...]

LER MATÉRIA
27/05/2024

Repórteres Sem Fronteiras apresenta terceira queixa ao TPI sobre crimes de guerra israelenses contra jornalistas em Gaza

Apresentada em 24 de Maio, três dias antes do nono aniversário da Resolução [...]

LER MATÉRIA
26/05/2024

A humanidade precisa parar “israel” como parou o nazismo: pelas armas

Os horrores testemunhados pela humanidade hoje, em Rafah, extremidade sul [...]

LER MATÉRIA
15/05/2024

Ato na Assembleia Legislativa de SP relembra 76 anos da Nakba denuncia genocídio na Palestina

Na segunda-feira à noite, mais de duzentas pessoas, dezenas delas [...]

LER MATÉRIA
11/04/2024

Caiado e Tarcísio em Israel: uma viagem muito estranha e sem respostas.

Uma viagem estranha, que teve por objetivo inicial prestar apoio e [...]

LER MATÉRIA
05/04/2024

Prefeitura de São Leopoldo reinaugura Praça Palestina.

Nesta terça-feira, 2 de abril, realizou-se a cerimônia de entrega da obra [...]

LER MATÉRIA