Silwad: a pequena cidade que Israel mais teme

Sitiada desde o início de agosto, a cidade de Silwad, na Cisjordânia, continua sua longa história de resistência à medida que a política de punição coletiva de Israel falha mais uma vez

02/09/2022

Soldados israelenses invadem Silwad, 31 de agosto de 2022. (Foto: Shahd Abdulrahman)

POR SHAHD ABDULRAHMAN – 2 DE SETEMBRO DE 2022

Desde 10 de agosto, o exército israelense vem implementando uma política de punição coletiva contra a cidade de Silwad, a leste de Ramallah, efetivamente sitiando a aldeia de 11.000 palestinos, isolando suas entradas e saídas, realizando ataques diários e invasões domiciliares, e prendendo dezenas de jovens.

Esta última campanha do exército vem em resposta a uma recente intensificação nas atividades de resistência armada da cidade, especificamente na proliferação de tiroteios contra uma base militar israelense perto da entrada oeste da cidade, bem como uma estrada de colonos próxima. Mais novos ainda são os confrontos armados com o exército israelense durante suas invasões à cidade para fazer prisões — um desenvolvimento único na história recente de Silwad.

Silwad tem sido considerado um dos pontos mais intensos de confronto com os militares israelenses na Cisjordânia, mesmo em períodos de relativa calma. Mas a ininterrupta tradição de resistência da cidade se intensificou recentemente com as últimas operações de tiro e a determinação da juventude de Silwad de enfrentar o exército com rifle e pedra.

A tentativa do exército israelense de impedir o desenvolvimento dessas atividades de resistência por meio da punição coletiva não é novidade — uma extensão da antiga doutrina israelense de “dissuasão” destinada a isolar os combatentes da resistência de seu ambiente social, que pratica na Cisjordânia desde 1967.

Foto de 11 de junho de 2021. Palestinos em Silwad encontram-se com soldados israelenses após um protesto exigindo entregar os corpos de palestinos detidos pelo exército de Israel. (Foto: Wafa/APA Images)

As recentes escaladas

As tensões aumentaram na noite de 20 de agosto, quando um tiroteio teve como alvo um ônibus de colonos na Rodovia 60. De acordo com os militares israelenses, oito balas foram disparadas contra o ônibus, e nenhum colono ficou ferido.

Este tiroteio é notável por ter ocorrido em Oyoun al-Haramiya a noroeste de Silwad, uma área com uma história histórica de operações de tiro devido à sua geografia única. A estrada atravessa um vale entre Nablus e Ramallah, e é flanqueada em ambos os lados por duas colinas – permitindo que homens armados desapareçam nas montanhas sem serem vistos após atingirem a estrada. Em memória recente, a mais proeminente dessas operações ocorreu durante a Segunda Intifada em março de 2002, quando Thaer Hammad, nascido em Silwad, realizou singularmente uma operação de atiradores que matou 11 soldados israelenses antes que ele se retirasse sem ser visto, e só foi preso dois anos depois após uma caçada. Ainda mais para trás, a área de Wadi al-Haramiya (que se traduz em “Vale dos Ladrões”) testemunhou inúmeros assaltos à mão armada por homens de estrada durante o período de mandato britânico, e mais tarde esses mesmos ladrões se tornaram revolucionários que emboscaram tropas britânicas na estrada durante a Revolta de 1936-1938. Esta história tornou-se uma fonte constante de trepidação para o exército israelense, empurrando-o para implementar medidas draconianas na tentativa de anular um potencial ressurgimento.

Após o tiroteio de 20 de agosto, o exército iniciou uma caçada aos criminosos, começando por selar as saídas e entradas da cidade, e lançando incursões diárias e realizando prisões. No quinto dia de sua campanha, 27 de agosto, o exército anunciou que havia prendido quatro jovens, entre eles Kamal Aneed, um ex-prisioneiro que passou nove anos em prisões israelenses que o exército agora acusou de realizar a operação.

O que torna a tarefa do exército israelense ainda mais complicada é que os combatentes da resistência não estão organizados em células militares tradicionais, e não parecem ser liderados por facções políticas ou partidos estabelecidos.

O Yamam, uma unidade israelense de elite contra o terrorismo, invadiu a cidade em um caminhão branco antes de chegar à casa de Aneed em um prédio de apartamentos no centro da cidade. A esposa de Aneed, Ayah Hamed, disse a Mondoweiss que o exército colocou sua unidade K-9 em Kamal ao entrar na casa, e então os soldados começaram a espancá-lo na frente dela antes de arrastá-lo para longe sem deixá-lo colocar qualquer sapato ou roupa.

Apenas um dia após o exército ter anunciado que havia apreendido os responsáveis pelo tiroteio, um posto militar localizado perto da entrada oeste de Silwad foi atacado por tiros em 28 de agosto. O confronto armado continuou por dez minutos antes do autor se retirar.

Este incidente indica que o exército não está mais enfrentando operações de lobos solitários, mas um momento mais amplo de resistência coletiva. O que torna a tarefa do exército israelense ainda mais complicada é que os combatentes da resistência não estão organizados em células militares tradicionais, e não parecem ser liderados por facções políticas ou partidos estabelecidos. Além disso, essa forma de resistência tem se mostrado até agora teimosa e relutante em morrer, apesar da política de dissuasão e punição coletiva nos últimos dias.

Silwad sob cerco

Em meio à continuação de confrontos armados, o exército intensificou seu cerco a Silwad, selando suas duas entradas principais ligando a cidade a Ramallah e as aldeias a leste, bem como à estrada principal entre Jericó e Ramallah.

Raed Hamed, o prefeito de Silwad, disse a Mondoweiss que o exército israelense isolou a entrada ocidental de Silwad usando pilhas de terra, parando completamente qualquer movimento dentro e fora da cidade, enquanto um posto de controle militar foi colocado na entrada sul da cidade, impedindo que a maioria dos veículos passassem e frequentemente submetendo os moradores da cidade a buscas invasivas, especialmente os jovens que foram submetidos a interrogatórios de campo.

Hamed acrescentou que o povo de Silwad e outras aldeias a leste de Ramallah estão agora recorrendo a estradas traseiras tortuosas a fim de chegar a Ramallah, que leva o dobro do tempo normal para viajar para a cidade, e levou a um aumento no custo de transporte e subsequentes dificuldades materiais para os moradores da cidade.

“Tudo o que o exército está fazendo é punição coletiva”

Raed Hamed, prefeito de Silwad

O cerco a Silwad também é efetivamente um cerco às aldeias vizinhas, esclarece Hamed, especialmente a vila de Yabrud, que conta com os centros de saúde, farmácias e escolas de Silwad. Hamed afirmou que o fechamento das entradas da cidade tem impedido alunos e professores de chegar às escolas localizadas na cidade.

Além disso, o principal cemitério de Silwad fica além da entrada oeste da cidade, o que significa que os moradores da cidade são incapazes de enterrar seus entes queridos em caso de morte, disse Hamed. Ele também acrescentou que os serviços de coleta de lixo e tratamento de esgoto do município de Silwad foram obstruídos pelo fechamento — uma vez que o município conta com um aterro que fica logo após a entrada oeste — o que representa um risco ambiental e de saúde pública para a população de Silwad.

O exército também fechou várias estradas agrícolas dentro da cidade e em suas periferias, impedindo que os agricultores chegassem às suas terras.

“Tudo o que o exército está fazendo é punição coletiva”, disse Hamed. “Essas práticas injustas estão impactando negativamente todas as pessoas em Silwad, independentemente da idade. Essas políticas são sem sentido, sem objetivo real.” Ele acrescentou que, apesar das alegações do exército de estarem caçando os responsáveis pelas operações, “o número de prisões até agora excedeu muito o número de operações… ele [o exército] está apenas tentando justificar os crimes que comete diariamente contra o povo de Silwad.”

Violentas incursões em casas

Depois das 8h de 31 de agosto, as forças especiais israelenses invadiram Silwad e cercaram quatro casas, prendendo quatro jovens, incluindo Abdul Rahman Azzam, de 23 anos, que foi preso após o exército atirar e machucá-lo.

Ni’ma Faraj, mãe de Azzam, conta os eventos da prisão de seu filho. Ela acordou ao som de tiros, depois que um grande número de soldados israelenses invadiram sua casa, gritando e agredindo os familiares e vandalizando as casas. No meio de tudo isso, o exército informou a família que tinha atirado em seu filho, Abdul Rahman.

“Tenho tanto medo por Abdul Rahman”, disse Ni’ma a Mondoweiss. “Eu não sei o que aconteceu com ele ou qualquer coisa sobre sua saúde. Os vizinhos confirmam que viram o exército atirar nele e arrastá-lo para os veículos militares.” Ela acrescentou que esta é a segunda vez que o exército invadiu sua casa em menos de um mês, mas desta vez com violência e destruição muito maiores, especialmente considerando que eles atiraram em seu filho.

“Um dos soldados me disse que eu não veria Abdul Rahman por muitos longos anos”, acrescentou. “Mas meu filho não fez nada para merecer tudo isso – eles são os únicos que estão cometendo crimes contra nós todos os dias, mas eles nos responsabilizam.”

Durante o mesmo ataque, as forças especiais também invadiram a casa de Abdul Qadir Basem Hammad depois de circundá-la, agredindo fisicamente Abdul Qadir na frente de seus irmãos. Naser, irmão de Abdul Qadir, contou a invasão a Mondoweiss: “Eu os ouvi quando começaram a cercar a casa. Aproximei-me da porta para abri-la, mas eles imediatamente a detonaram e a abriram, e então invadiram a casa e começaram a nos atacar.”

“Um dos soldados atacou Abdul Qadir, que ainda estava dormindo”, acrescentou. “Eles imediatamente começaram a espancá-lo e abusar dele, apesar do meu grito de que ele está ferido no pé de um acidente de carro no mês passado.”

Esta é a sétima vez que o exército prendeu Abdul Qadir, que passou muitos anos na prisão e abriu um salão de beleza masculino depois de participar de um curso de reabilitação para ex-prisioneiros, onde aprendeu a se tornar um barbeiro.

“Mas nem a barbearia foi poupada”, disse Naser. “Eles invadiram e o destruíram completamente. O lugar não está mais apto para uso.

Apesar da natureza selvagem das prisões e do fato de que a cidade estava cheia de soldados, isso não impediu a troca de tiros mais uma vez. Isso confirma ainda a futilidade das políticas ineficazes do exército – destinadas a evitar a recorrência desses ataques armados – pois parece que nenhuma quantidade de brutalidade provavelmente deterá a juventude da cidade.

Uma longa história de resistência

Nos últimos três meses — e especificamente desde que Muhammad Abdullah Hamed, um garoto de 16 anos de Silwad, foi baleado e morto pelo exército israelense em 24 de junho perto da estrada dos colonos — a cidade testemunhou um renascimento de operações de resistência armada. As operações de tiro contra alvos militares ao redor da cidade retornaram, que foi seguida por amplas campanhas de prisão da juventude da cidade, e foi marcada por uma notável escalada de brutalidade do exército durante invasões domiciliares.

Palestinos participam do funeral de Muhammad Hamad, 16 anos, em 30 de junho de 2022. (Foto: Wajed Nobani/APA Images)

Mas a cidade de Silwad não é nova nessas campanhas de repressão, dado que sua história como um ponto focal da resistência anticolonial. Awni Faris, um pesquisador local especializado na história da cidade, disse que desde que Silwad caiu sob o controle militar da ocupação israelense em 1967, ela só se envolveu ainda mais na atividade de resistência — mais do que qualquer outra aldeia vizinha. A primeira célula militar a ser presa na cidade foi em 1968, algumas das quais receberam sentenças de prisão perpétua. Nesse mesmo ano, a ocupação iniciou sua política de punição coletiva contra a cidade, impondo toques de recolher, isolando suas entradas e demolindo as casas das famílias dos combatentes da resistência — tudo ao lado da ampla campanha de prisões que continuaria nas décadas seguintes.

Faris afirma que as famílias de Silwad herdaram as histórias de seus antepassados sobre sua participação na resistência, e eles se esforçaram para continuar essa herança anticolonial. Isto foi o que levou numerosos palestinos de Silwad a se juntarem à resistência armada durante a Segunda Intifada, realizando uma série de operações, mais notavelmente a operação de atiradores de elite de Thaer Hammad. Essa mesma tradição está sendo continuada.

“O que Silwad está experimentando hoje não é novidade”, disse Faris. “É um estado contínuo de resistência que rejeita a presença de ocupação e injustiça, e visa acabar com isso.”

Esta recente campanha de repressão, no entanto, não é exclusiva de Silwad, e tem sido de fato parte de um esforço israelense mais amplo para arrancar fontes de resistência armada na Cisjordânia, que chamou de “Operação Quebrar a Onda”. A recente guerra em Gaza foi parte dessa operação, com o objetivo de dar um golpe preventivo na liderança da Jihad Islâmica Palestina, que Israel alegou estar formando células militares na Cisjordânia. Esses temores israelenses têm crescido desde que a Cisjordânia testemunhou um reavivamento da resistência armada nos últimos meses, estendendo-se de Jenin, à Cidade Velha de Nablus, a Silwad. Os jovens no centro deste ressurgimento representam uma nova geração de palestinos, que após anos de subserviência política oficial e capitulação, assumiram o manto da resistência mais uma vez. Isto é o que Israel mais teme.

Shahd Abdulrahman é um jornalista freelancer de Ramallah.

Reportagem publicada originalmente no site Mundoweiss (Tradução livre FEPAL)

Notícias em destaque

27/05/2024

Repórteres Sem Fronteiras apresenta terceira queixa ao TPI sobre crimes de guerra israelenses contra jornalistas em Gaza

Apresentada em 24 de Maio, três dias antes do nono aniversário da Resolução [...]

LER MATÉRIA
26/05/2024

A humanidade precisa parar “israel” como parou o nazismo: pelas armas

Os horrores testemunhados pela humanidade hoje, em Rafah, extremidade sul [...]

LER MATÉRIA
15/05/2024

Ato na Assembleia Legislativa de SP relembra 76 anos da Nakba denuncia genocídio na Palestina

Na segunda-feira à noite, mais de duzentas pessoas, dezenas delas [...]

LER MATÉRIA
11/04/2024

Caiado e Tarcísio em Israel: uma viagem muito estranha e sem respostas.

Uma viagem estranha, que teve por objetivo inicial prestar apoio e [...]

LER MATÉRIA
05/04/2024

Prefeitura de São Leopoldo reinaugura Praça Palestina.

Nesta terça-feira, 2 de abril, realizou-se a cerimônia de entrega da obra [...]

LER MATÉRIA
01/04/2024

Lula é agraciado com comenda Hanna Safieh de Direitos Humanos, um dos fundadores da FEPAL

O professor de origem palestina Hanna Safieh, um dos mais importantes [...]

LER MATÉRIA