Conselho Nacional Palestino cobra sanções contra Israel por recusa à vacinação de presos

Decisão de não fornecer a vacina contra a covid-19 aos presos palestinos viola 3ª Convenção de Genebra

14/01/2021

Até o momento, 196 presos palestinos foram contaminados pelo novo coronavírus (AP Photo/Ariel Schalit)

Em comunicado enviado hoje (14) para chefes de parlamentos e federações do mundo todo, o Conselho Nacional Palestino (CNP) exigiu sanções contra o Estado de Israel, que vem se recusando a fornecer a vacina contra a covid-19 aos prisioneiros palestinos nas prisões da ocupação.

O CNP, conhecido também como “parlamento no exílio”, é a instância máxima da Organização para a Libertação da Palestina (OLP).

O apelo é direcionado às Altas Partes Contratantes da 3ª Convenção de Genebra e exige que o ministro de Segurança Interna israelense, Amir Ohana, responsável pela decisão, seja processado e julgado por descumprir o tratado internacional que obriga a potência ocupante a prestar atenção médica integral aos prisioneiros.

Até o momento, 196 presos palestinos foram contaminados pelo novo coronavírus.

O número total de palestinos presos e detidos por Israel atualmente (junho/2020) é de 5.963, segundo dados oficiais do Escritório Central de Estatísticas da Palestina (PCBS).

No início da tarde de hoje, o Conselho Nacional Palestino informou os detalhes de sua ação às entidades palestinas no mundo, em mensagem que reproduzimos abaixo, em tradução livre:

O CNP – Conselho Nacional Palestino exige sanções contra o Ministro de Segurança Interna de Israel por se recusar a fornecer vacina imunizante contra o coronavírus a prisioneiros palestinos.

O Conselho Nacional Palestino apelou às Altas Partes Contratantes da 3ª Convenção de Genebra para tomar as medidas necessárias e impor penalidades efetivas ao ministro de Segurança Interna israelense, Amir Ohana, processá-lo e levá-lo a julgamento, após sua recusa em fornecer vacinação preventiva do coronavírus a prisioneiros e detidos palestinos nas prisões da ocupação israelense.

Em mensagens idênticas enviadas pelo Presidente do CNP, Saleem Al-Za’anoon, aos presidentes de parlamentos nacionais selecionados em todo o mundo, aos chefes de sindicatos e assembleias parlamentares árabes, islâmicas, asiáticas, europeias, africanas e latinas, e ao presidente da União Interparlamentar, afirmou que a decisão do ministro de Segurança Interna israelense, tomada há duas semanas, de não fornecer a vacina contra o coronavírus a presos e detidos palestinos viola os dois artigos (13 e 15) da 3ª Convenção de Genebra que exige que a potência ocupante preste atenção médica integral aos presos e que a proíbe de cometer qualquer ato ou negligência que coloque em risco a vida dos presos. E foi o que aconteceu com 226 presos palestinos que vieram a óbito dentro das prisões da ocupação israelense.

Confira o comunicado original (em inglês)

O CNP pediu a ativação dos artigos 129 e 130 da 3ª Convenção de Genebra, convocando as Altas Partes Contratantes a tomarem as medidas necessárias para imposição de penalidades efetivas a quem cometer ou ordenar a prática que implique em qualquer das violações deste acordo, tal qual a potência ocupante “Israel” promove contra os prisioneiros palestinos em suas prisões.

Em suas mensagens, o CNP acrescentou que os procedimentos israelenses contra prisioneiros palestinos, pessoas protegidas (pelo Direito Internacional), são flagrante violação de seus direitos, e que as autoridades responsáveis pela detenção fogem de seus deveres de fornecer aos prisioneiros os cuidados de saúde necessários, uma clara discriminação contra estes, visto que a vacinação será limitada apenas aos funcionários da Autoridade Prisional de Israel.

O CNP apontou para o aumento do número de presos infectados com o coronavírus, ao atingir 196 até o momento, e é provável que aumente com o baixo nível de proteção e de medidas preventivas em geral, bem como pela superlotação nas prisões, além dos reduzidos serviços médicos prestados às pessoas infectadas com o coronavírus em particular.

Também é uma obrigação legal garantir a saúde e a segurança de todos os palestinos sob a ocupação israelense, incluindo o fornecimento de vacinas, sem discriminação. Nas suas mensagens, o CNP apelou aos chefes de parlamentos e federações para que tomem medidas eficazes e imediatas de intervenção e pressão sobre o ocupante, de forma a proporcionar meios de prevenção e adoção de todas as medidas de proteção contra o risco de contrair o coronavírus.

O Presidente também pediu que se assegure que os presos e detidos recebam, sem submissão ou exceção, as vacinas anti-coronavírus, e que haja controle internacional sobre a realização dos testes para os presos e a natureza das vacinas fornecidas a eles, especialmente porque ausente a confiança nos atos de administração prisional israelense.

O CNP também pediu que a ocupação israelense seja obrigada a libertar imediatamente mais de 700 prisioneiros palestinos doentes, dos quais cerca de 340 sofrem de doenças crônicas, em conformidade com o que afirmado no primeiro anexo da 3ª Convenção de Genebra, assim como a repatriação direta de prisioneiros com deficiência, ou dos pacientes cuja condição se torna crônica e a cura não é esperada, apesar do tratamento.

Notícias em destaque

24/06/2024

DA REPATRIAÇÃO ILEGAL DA FAMÍLIA PALESTINO-MALAIA À CONSTRUÇÃO DO TOTALITARISMO NO BRASIL

Sobre a repatriação, ontem, por ordem judicial, do cidadão palestino Muslim [...]

LER MATÉRIA
27/05/2024

Repórteres Sem Fronteiras apresenta terceira queixa ao TPI sobre crimes de guerra israelenses contra jornalistas em Gaza

Apresentada em 24 de Maio, três dias antes do nono aniversário da Resolução [...]

LER MATÉRIA
26/05/2024

A humanidade precisa parar “israel” como parou o nazismo: pelas armas

Os horrores testemunhados pela humanidade hoje, em Rafah, extremidade sul [...]

LER MATÉRIA
15/05/2024

Ato na Assembleia Legislativa de SP relembra 76 anos da Nakba denuncia genocídio na Palestina

Na segunda-feira à noite, mais de duzentas pessoas, dezenas delas [...]

LER MATÉRIA
11/04/2024

Caiado e Tarcísio em Israel: uma viagem muito estranha e sem respostas.

Uma viagem estranha, que teve por objetivo inicial prestar apoio e [...]

LER MATÉRIA
05/04/2024

Prefeitura de São Leopoldo reinaugura Praça Palestina.

Nesta terça-feira, 2 de abril, realizou-se a cerimônia de entrega da obra [...]

LER MATÉRIA