Ato na Assembleia Legislativa de SP relembra 76 anos da Nakba denuncia genocídio na Palestina

15/05/2024

Na segunda-feira à noite, mais de duzentas pessoas, dezenas delas representantes de entidades e movimentos sociais, lotaram o auditório Paulo Kobayashi, na Assembleia Legislativa de São Paulo, em ato solene  para relembrar os 76 anos da Nakba (catástrofe, em árabe) palestina de 1948, e para denunciar o genocídio promovido por Israel contra o povo palestino em Gaza.

O termo “Nakba”, que significa “catástrofe” em árabe, é uma lembrança anual alusiva a 15 de maio de 1948, quando os palestinos foram expulsos de suas terras por estrangeiros euro-judeus recém-chegados à Palestina para ali construírem, com apoio do Império Britânico, uma “lar nacional judeu”. Este ano, a lembrança é ainda mais crucial, dada a contínua opressão e o genocídio enfrentado pelo povo palestino, incluindo um regime de apartheid e violações dos direitos humanos, especialmente em Gaza.

O evento, intitulado “Da Nakba ao Genocídio em Gaza: 76 Anos de Colonização”, foi organizado pela Fepal – Federação Árabe Palestina do Brasil e pelas bancadas estaduais do PT, PCdoB e PSOL e neste ano se soma a uma série de protestos em todo o mundo contra o genocídio em curso em Gaza, que assassinou mais de 43 mil civis palestinos, 2% da população do enclave, a maioria (70%) mulheres e crianças.

O deputado Maurici (PT), presidente da Comissão de Relações Internacionais da Assembleia Legislativa e proponente do ato solene, coordenou a mesa, que contou com as presença de diversos deputados estaduais, diplomatas, dentre eles o embaixador da Palestina no Brasil, Ibrahim Alzeben, lideranças sociais e políticas, além de líderes religiosos

As manifestações foram de denúncia dos crimes Israe na Palestina, pedido de paz e de um estado palestino soberano. Uma “Carta do Brasil contra o genocídio e pela paz na Palestina” foi lida pelo presidente da FEPAL, Ualid Rabah, que convidou as entidades e movimentos sociais, parlamentares, líderes políticos e partidos, intelectuais e outros interessados a assina-la. A carta, que expõe motivos e pede ao Brasil o rompimento das relações com Israel, será entregue ao Governo Brasileiro e a outras lideranças políticas.

O embaixador da Palestina no Brasil, Ibrahim Al Zeben, expressou gratidão pelo apoio do povo brasileiro e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva por sua solidariedade ao povo palestino e condenação do genocídio em foros internacionais, que definiu como um despertar para muitos líderes mundiais, na América Latina principalmente.

Emir Mourad, secretário-geral da COPLAC – Confederação Palestina Latino-Americana e do Caribe, recordou que a solidariedade foi protagonista importante na construção e consolidação do movimento palestino no Brasil, resultando na FEPAL, cujo primeiro congresso aconteceu em 1980, e quatro anos depois, novamente partindo de iniciativas brasileiras, a própria entidade continental. Lembrou, também, que nesse mesmo ano de 1984 foi aprovada, na Assembleia Legislativa de São Paulo, a Lei 29 de novembro, que instituiu o Dia Estadual de Solidariedade com o Povo Palestino, em alusão ao Dia Internacional aprovado pela ONU em 1977. Mourad fez menção honrosa in memorian de seu autor, o deputado estadual Benedito Cintra (PCdoB), de 2003 a 2010 foi assessor da Presidência da República e um dos idealizadores e articuladores do Estatuto da Igualdade Racial, aprovado em 2007.

O jornalista José Reinaldo Carvalho, presidente do Cebrapaz, reafirmou sua solidariedade ao povo palestino e seu apoio à luta em todas as frentes, incluindo ações de massa, diplomáticas e de resistência. 

A ativista palestina Soraya Misleh (Frente Palestina de São Paulo) também pediu ao Brasil o rompimento das relações com Israel. Socorro Gomes do Coletivo de Mulheres em Solidariedade ao Povo Palestino, afirmou que as mulheres brasileiras não se calarão diante dos crimes dos sionistas e farão tudo que estiver ao seu alcance para frear o genocídio palestino que, segundo ela, não é promovido apenas por Israel, mas também por seu aliado e protetor, o imperialismo estadunidense. 

Breno Altman, jornalista e escritor, destacou a perda de moral de Israel e sua inevitável derrota, bem como que o povo palestino tem direito a todas as formas de resistência para livrar-se da ocupação colonial sionista.

Uma delegação da Câmara de Comércio Internacional de Hebron, importante cidade palestina da Cisjordânia, também marcou presença no evento, que foi transmitido pela Tutameia TV e pela TV da ALESP.

Fotos por Lucas Porto e Chokito.

Notícias em destaque

27/05/2024

Repórteres Sem Fronteiras apresenta terceira queixa ao TPI sobre crimes de guerra israelenses contra jornalistas em Gaza

Apresentada em 24 de Maio, três dias antes do nono aniversário da Resolução [...]

LER MATÉRIA
26/05/2024

A humanidade precisa parar “israel” como parou o nazismo: pelas armas

Os horrores testemunhados pela humanidade hoje, em Rafah, extremidade sul [...]

LER MATÉRIA
15/05/2024

Ato na Assembleia Legislativa de SP relembra 76 anos da Nakba denuncia genocídio na Palestina

Na segunda-feira à noite, mais de duzentas pessoas, dezenas delas [...]

LER MATÉRIA
11/04/2024

Caiado e Tarcísio em Israel: uma viagem muito estranha e sem respostas.

Uma viagem estranha, que teve por objetivo inicial prestar apoio e [...]

LER MATÉRIA
05/04/2024

Prefeitura de São Leopoldo reinaugura Praça Palestina.

Nesta terça-feira, 2 de abril, realizou-se a cerimônia de entrega da obra [...]

LER MATÉRIA
01/04/2024

Lula é agraciado com comenda Hanna Safieh de Direitos Humanos, um dos fundadores da FEPAL

O professor de origem palestina Hanna Safieh, um dos mais importantes [...]

LER MATÉRIA