Guia eleitoral da Federação Palestina pede voto pela democracia e contra o ódio

30/09/2022

A Federação Árabe Palestina do Brasil (FEPAL) lançou hoje um documento em que se manifesta sobre as eleições deste ano no Brasil. Intitulado “Eleições 2022 – Soberania Nacional, Democracia, Direitos Humanos e Fim da Israelização do Brasil”, o documento lista dez preocupações que a liderança brasileiro-palestina acredita que devam orientar as escolhas eleitorais de seus representados e de todos os que se preocupam com a Palestina.

“Não se trata de indicar em quem votar, mas a reunião do que consideramos mais importante considerar para orientar o voto, tanto para escolher quanto para não escolher. São princípios, portanto, para auxiliar os eleitores que se preocupam com a Palestina, com os direitos humanos no Brasil e no mundo”, explica Ualid Rabah, presidente da FEPAL.

Confira na íntegra o “manual eleitoral” da FEPAL para as Eleições 2022

Lê-se na apresentação que a iniciativa “é esforço da FEPAL para dar sua contribuição à construção de um Brasil melhor para todo o seu povo e que seja um ator internacionalmente importante e respeitado”.

Separado por tópicos, o documento começa chamando a atenção para soberania nacional, que deve ser observada pelos eleitores para que evitem “os candidatos que subordinam o Brasil a interesses estrangeiros, como aos de Israel e EUA”. Segundo a FEPAL, o déficit da balança comercial brasileira com os dois países foi de 22 bilhões de dólares (R$ 110 bilhões) nos últimos quatro anos. “Ou seja: o Brasil se subordina a interesses estrangeiros que nos dão prejuízo e agride outros que representam mais de 50% de todo o nosso superávit comercial”, analisa Rabah, para quem esta é uma política de “traição nacional”, que precisa ser revista.

A FEPAL também alerta para a “democracia e os direitos humanos”, o “ódio e intolerância” e o “racismo, xenofobia e islamofobia”. “Não há direitos humanos sem democracia”, diz o documento. Em outro trecho, alerta que “a intolerância e o ódio matam a democracia e as liberdades civis e envenenam o convívio social”. A entidade brasileiro-palestina alerta que “árabes e descendentes, os brasileiro-palestinos incluídos, viraram alvos de nova forma de racismo e xenofobia, a islamofobia, que já virou arabofobia e palestinofobia”.

Uma política de desenvolvido também é defendida, “para a superação da pobreza e dos desequilíbrios regionais”.

Na política externa, a FEPAL defende que o Brasil mantenha sua tradição diplomática para a Palestina e aprofunde esta relação, colocando em prática os quatro acordos de cooperação entre os dois países, já aprovados pelo Congresso Nacional, nas áreas de comércio, tecnologia, educação e cultura. E pede, também, que o Brasil abandone a recente política de aliança com Israel, chegando a votar contra a Palestina na ONU e em outros organismos internacionais. Pede, ainda, a revisão dos acordos de cooperação militar com Israel, aprovados este ano. “A Constituição Federal proíbe estes acordos. Eles prejudicam a imagem do Brasil e sua indústria de defesa. Cooperar com Israel legitima seus crimes e prolonga o sofrimento do povo palestino”, diz o documento.

Para a FEPAL, é também fonte de preocupação a “israelização do Brasil”, observada nos últimos anos. “A bandeira de Israel está em atos públicos, inclusive governamentais, em púlpitos de empresas da fé e em áreas controladas pelo crime organizado, especialmente pelo narcotráfico e pelas milícias. Autoridades juram lealdade a Israel, e não ao Brasil, em ministérios e parlamentos. Nossas forças de segurança treinam em Israel e forçam compras de equipamentos e sistemas israelenses”, denuncia.

Segundo o presidente da FEPAL, a tradição diplomática brasileira e sua importância no mundo impedem que suas políticas estejam subordinadas a “interesses estrangeiros hostis”. Para ele, o Brasil “não pode se tornar um kibutz, cuja capital seja Tel Aviv”.

Notícias em destaque

27/05/2024

Repórteres Sem Fronteiras apresenta terceira queixa ao TPI sobre crimes de guerra israelenses contra jornalistas em Gaza

Apresentada em 24 de Maio, três dias antes do nono aniversário da Resolução [...]

LER MATÉRIA
26/05/2024

A humanidade precisa parar “israel” como parou o nazismo: pelas armas

Os horrores testemunhados pela humanidade hoje, em Rafah, extremidade sul [...]

LER MATÉRIA
15/05/2024

Ato na Assembleia Legislativa de SP relembra 76 anos da Nakba denuncia genocídio na Palestina

Na segunda-feira à noite, mais de duzentas pessoas, dezenas delas [...]

LER MATÉRIA
11/04/2024

Caiado e Tarcísio em Israel: uma viagem muito estranha e sem respostas.

Uma viagem estranha, que teve por objetivo inicial prestar apoio e [...]

LER MATÉRIA
05/04/2024

Prefeitura de São Leopoldo reinaugura Praça Palestina.

Nesta terça-feira, 2 de abril, realizou-se a cerimônia de entrega da obra [...]

LER MATÉRIA
01/04/2024

Lula é agraciado com comenda Hanna Safieh de Direitos Humanos, um dos fundadores da FEPAL

O professor de origem palestina Hanna Safieh, um dos mais importantes [...]

LER MATÉRIA