Lobos em pele de cordeiro: jornalistas israelenses reclamam de rejeição durante a Copa do Mundo

05/12/2022

Torcidas de diversos países no Qatar têm demonstrado solidariedade ao povo palestino nas arquibancadas, enquanto imprensa israelense é ignorada (Foto: Showkat Shafi / Al Jazeera)

Por Marah Abdel Jaber

No domingo, 20 de novembro de 2022, começou a 22ª Copa do Mundo da FIFA. Foi uma abertura histórica – a primeira Copa do Mundo a ser sediada no mundo árabe.

Na primeira semana de jogos, o Qatar 2022 tem sido fundamental para mudar as perspectivas globais do Oriente Médio, ao mesmo tempo em que se torna um espaço para amplificar a solidariedade com a causa palestina. Fãs, jogadores e celebridades têm defendido fortemente a libertação palestina, dentro das partidas e além: levantando bandeiras palestinas, cantando em homenagem à liberdade e, mais notavelmente, recusando-se repetidamente a se envolver com veículos (de comunicação) e turistas do estado de apartheid israelense.

Desde o primeiro dia de jogos, as mídias sociais estão cheias de clipes de torcedores de todo o mundo recusando entrevistas com canais de propaganda israelenses e vocalizando apoio à Palestina. Em resposta, turistas e jornalistas israelenses se voltaram para as mídias sociais em protesto, alegando se sentirem “indesejáveis” no Qatar.

Raz Shechnik – correspondente do Yedioth Ahronoth, um tabloide israelense – usou o Twitter para expressar sua consternação com os “fãs árabes”, que fizeram com que ele e sua equipe se sentissem rejeitados.

Ao reconhecer a recusa dos fãs em normalizar as relações com Israel, Shechnik e seu parceiro começaram a transmitir como uma estação de notícias equatoriana. Sem sucesso em suas tentativas fraudulentas de falsificação de identidade, Shechnik – um notório propagandista do estado do apartheid – culpou grupos muçulmanos e árabes por ostracizar israelenses durante a Copa do Mundo e se recusou a notar o apoio contínuo à Palestina por multidões árabes e não-árabes.

A rejeição sem fim encorajou jornalistas e turistas israelenses a mudar sua estratégia. Em esforços para provocar intencionalmente os fãs que defendiam abertamente a Palestina, eles tentaram traficar o ódio no evento esportivo.

Guy Hochman tem transmitido interações que inicia com fãs pró-Palestina nas mídias sociais, questionando sua recusa à normalização e, em uma tática de manipulação, confundindo suas posições com o antissemitismo.

Hochman – um membro das Forças de Ocupação Israelenses, que realizou inúmeros crimes de guerra a contra homens, mulheres e crianças palestinas – estava armando a noção de paz imposta pela Fifa para antagonizar os apoiadores da Palestina no torneio. Falhando notavelmente em todas as suas tentativas de provocar os fãs, encerrou sua visita ao país do Golfo Pérsico.

O Qatar permitiu que a Copa do Mundo da FIFA de 2022 se tornasse um espaço poderoso para a resistência e a unidade árabe contra a ocupação israelense. Vídeos que circulam nas redes sociais mostram inúmeras emissoras israelenses questionando o repúdio de torcedores de países árabes que assinaram acordos de paz com Israel. Em uma entrevista (abaixo) com torcedores marroquinos, um jornalista é pego tentando implorar por seu apoio, desde que o país assinou um acordo de normalização em 2020. Os fãs chocados – que não têm controle sobre as decisões de seu governo – denunciaram o regime do apartheid e se recusaram a ser entrevistados.

Após a monumental vitória do Marrocos sobre a Bélgica no domingo, 27 de novembro, torcedores e jogadores comemoraram enquanto levantavam bandeiras palestinas e cantavam pela liberdade. Da mesma forma, os fãs de estados normalizadores – como os Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita – têm sido abundantemente claros em sua recusa em abandonar os palestinos. Jogadores da Tunísia, Arábia Saudita, Marrocos e Qatar usaram braçadeiras pró-Palestina durante suas partidas em homenagem à libertação. Os fãs árabes deixaram claro que os endossos de seus governos ao regime israelense não são um reflexo da lealdade dos povos à causa palestina. Enfureceu os israelenses que o povo árabe não reflita o sentimento de seus governos.

Em resposta às contínuas afrontas da mídia, as autoridades israelenses caluniaram o Qatar como um “ambiente hostil”, colocando o país sob um aviso de viagem de nível 3 para os israelenses. As autoridades também enviaram uma mensagem de protesto ao Qatar e à Fifa contra torcedores árabes e lançaram insultos contra a Tunísia por apoiar abertamente a Palestina durante todo o torneio.

Sem incidentes relatados de violência ou maus-tratos, o regime israelense – como de costume – está realizando uma campanha de autovitimização, tentando desviar a atenção do mundo da contínua limpeza étnica dos palestinos. Desde o início da Fifa 2022, as Forças de Ocupação Israelenses demoliram pelo menos cinco casas e uma escola, realizaram pelo menos14 ataques, detiveram aproximadamente 62 palestinos e assassinaram 12, senão mais.

Embora os israelenses tentem manipular os espectadores em todo o mundo, eles não conseguiram impedir que as pessoas lamentassem Mahmoud Assadi, Ahmad Ajad Shehadeh, Jawad Rimawi, Thafer Rimawi, Mufeed Ekhlail, Raed Al-Na’san, Mohammad Badarnah, Mohammed Hirzallah, Issa Talaqat, Mohammad Assadi, Rani Abu Ali, Nai’m Al-Zubaidy e os outros 196 palestinos assassinados pelo regime israelense apenas este ano.

Marah Abdel Jaber é uma escritora palestina e candidata ao mestrado no Centro de Estudos do Oriente Médio da Universidade de Chicago, concentrando sua pesquisa e escrita nas construções da identidade palestina e na preservação histórica criativa da narrativa palestina.

* Artigo publicado originalmente no site do Institute for Palestine Studies em 02/12/2022

Notícias em destaque

27/05/2024

Repórteres Sem Fronteiras apresenta terceira queixa ao TPI sobre crimes de guerra israelenses contra jornalistas em Gaza

Apresentada em 24 de Maio, três dias antes do nono aniversário da Resolução [...]

LER MATÉRIA
26/05/2024

A humanidade precisa parar “israel” como parou o nazismo: pelas armas

Os horrores testemunhados pela humanidade hoje, em Rafah, extremidade sul [...]

LER MATÉRIA
15/05/2024

Ato na Assembleia Legislativa de SP relembra 76 anos da Nakba denuncia genocídio na Palestina

Na segunda-feira à noite, mais de duzentas pessoas, dezenas delas [...]

LER MATÉRIA
11/04/2024

Caiado e Tarcísio em Israel: uma viagem muito estranha e sem respostas.

Uma viagem estranha, que teve por objetivo inicial prestar apoio e [...]

LER MATÉRIA
05/04/2024

Prefeitura de São Leopoldo reinaugura Praça Palestina.

Nesta terça-feira, 2 de abril, realizou-se a cerimônia de entrega da obra [...]

LER MATÉRIA
01/04/2024

Lula é agraciado com comenda Hanna Safieh de Direitos Humanos, um dos fundadores da FEPAL

O professor de origem palestina Hanna Safieh, um dos mais importantes [...]

LER MATÉRIA