O ressurgimento da esquerda na América Latina desperta esperanças de solidariedade à Palestina

05/07/2022

Presidente da FEPAL foi um dos entrevistados na reportagem especial do site The New Arab, que reproduzimos abaixo, em português

Em profundidade: Nos últimos anos, muitos países da América Latina evitaram governos conservadores e elegeram líderes esquerdistas, inaugurando a esperança de uma solidariedade renovada entre a vasta diáspora palestina da região.

Inigo Alexsander

Espalhados pela América Latina estão vários pequenos tributos que unem a capital salvadorenha de San Salvador, a região argentina de Santa Fé, a cidade costeira de Recife e a pequena cidade chilena de Chillán.

Em cada um deles, você encontrará uma Plaza Palestina – ou Praça Palestina – que liga muitas das numerosas diásporas palestinas da América Latina ao seu lar ancestral.

Embora as praças sejam pequenas, não são de forma alguma insignificantes, pois são um local frequente para manifestações de solidariedade e apoio local.

“A existência de tais praças faz parte da solidariedade da América Latina com a Palestina”, disse Simaan Khoury, chefe da União Palestina da América Latina. “É muito agradável e encorajador saber que nesses países temos apoio moral, sentir que temos pessoas que entendem nossa causa.”

A América Latina abriga aproximadamente 700.000 pessoas de origem palestina, com Chile, El Salvador e Honduras abrigando algumas das maiores diásporas palestinas fora do mundo árabe.

“Apesar da distância geográfica e geracional entre muitos latino-americanos com raízes palestinas e sua pátria ancestral, o vínculo entre a diáspora e a Palestina permanece forte”

Apesar da distância geográfica e geracional entre muitos latino-americanos com raízes palestinas e sua pátria ancestral, o vínculo entre a diáspora e a Palestina permanece forte.

Isso é mostrado principalmente durante marchas e protestos em resposta à intimidação e ataques israelenses aos territórios palestinos ocupados e seus habitantes. Em maio, a região viu uma onda de solidariedade e apoio após o assassinato do jornalista palestino Shireen Abu Akleh nas mãos de atiradores israelenses.

“Nós denunciamos esses ataques e agressões contra nosso povo na Palestina. Além disso, nos solidarizamos com o povo palestino e pedimos ao governo nacional, organizações internacionais e organizações das Nações Unidas que condenem todas essas práticas ilegais e desumanas que violam todas as resoluções da ONU e o direito internacional”, disse Anibal Bachir Bakir, presidente do Centro Islâmico da Argentina, em comunicado.

No Brasil, 59 deputados e senadores assinaram uma carta aberta denunciando os ataques israelenses à população palestina, enquanto o time de futebol chileno CD Palestino entrou em campo vestindo keffiyehs para expressar apoio, como já fizeram em inúmeras ocasiões.

Um grupo de manifestantes dança Dabke, uma dança tradicional palestina, em um protesto de solidariedade à Palestina em Santiago, Chile, em 14 de maio de 2022. [Getty]

Um impulso maior para a solidariedade

Essas instâncias de apoio e solidariedade são tentativas feitas pela diáspora palestina na América Latina para conscientizar e engajar os governos locais na causa palestina.

As diásporas palestinas da América Latina podem ter influência política significativa, e a contínua agressão israelense trouxe uma nova onda de apoio em toda a região, de acordo com Yousef Aljamal, acadêmico e coautor de ‘Comunidades da Diáspora Palestina na América Latina e Estado Palestino’.

“As diásporas palestinas e árabes desempenham um papel importante na política latino-americana em relação à Palestina. A Palestina está se tornando mais visível com a cobertura da mídia e mídias sociais por causa das contínuas violações de Israel”, disse Aljamal ao The New Arab.

“Como parte dessa visibilidade, vemos uma onda crescente de solidariedade com a Palestina na América Latina. Isso se traduzirá em mais solidariedade e ação política em favor da Palestina”.

A Federação dos Árabes Palestinos do Brasil (FEPAL) está tentando fazer exatamente isso: mobilizar a esfera política do país na esperança de lançar mais luz sobre a causa palestina.

“No processo eleitoral de 2018, a Palestina e a questão palestina começaram a ser vistas no Brasil como algo ruim. A partir de 2019, houve uma tentativa de anular as relações positivas do Brasil com a Palestina e com o mundo árabe em geral, e até mesmo tornar o Brasil um aliado estratégico de Israel”, disse Ualid Rabah, presidente da FEPAL, ao The New Arab.

A FEPAL reuniu-se recentemente com o candidato presidencial de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva e lhe entregou uma carta expressando algumas das principais preocupações e propostas da comunidade para as relações entre Brasil e Palestina.

Na reunião, o próprio Lula vestiu um keffiyeh e afirmou que “os palestinos merecem toda a nossa atenção e solidariedade”.

Rabah destaca a importância de uma maior conscientização da causa palestina entre a população brasileira, acrescentando que a FEPAL embarcou em uma “nova política de comunicação”.

“Queremos falar com todos os brasileiros para melhorar essa percepção [da Palestina]. O povo brasileiro em geral precisa conhecer mais sobre a questão palestina e o povo palestino, suas demandas e saber mais sobre os interesses brasileiros naquela região e como eles podem ser melhorados para o Brasil a partir de uma melhor percepção da questão palestina”, disse Rabah.

Como tal, uma Praça Palestina foi inaugurada na cidade nordestina de Recife no final de maio. A cidade costeira abriga a segunda maior comunidade palestina do país.

“Grande parte da esperança renovada de solidariedade palestina na América Latina veio do Chile, lar da maior diáspora palestina fora do mundo árabe”

Rabah se orgulha da nova praça, acrescentando que batizá-la com o nome de sua pátria “significa impedir que o nome da Palestina seja apagado do mapa”.

Ressurgimento regional de governos de esquerda

Grande parte da esperança renovada de solidariedade palestina na América Latina veio do Chile, lar da maior diáspora palestina fora do mundo árabe.

No início deste ano, os chilenos elegeram o advogado esquerdista pró-palestino Gabriel Boric como seu novo presidente, e a comunidade palestina local esperava que ele defendesse sua causa. No entanto, a comunidade palestina do Chile instou o jovem presidente a priorizar sua luta.

“Se queremos que o governo faça algo pelos palestinos, teremos que pressionar este governo, porque a Palestina – não apenas para este governo, mas para todos os governos chilenos – não é uma prioridade. Se houver interesses políticos diferentes, eles não escolheriam a Palestina, então isso é complicado”, disse Nadia Silhi-Chahin, uma acadêmica chileno-palestina com foco na comunidade palestina do Chile, ao The New Arab.

Manifestantes participam de um protesto do lado de fora da embaixada israelense em San Salvador, em 14 de julho de 2014, contra ataques aéreos de Israel em Gaza. [Getty]

A eleição de Boric no Chile faz parte de uma transição regional mais ampla para governos de esquerda , já que países como México, Honduras, Bolívia, Peru e, mais recentemente , Colômbia , viraram as costas a governantes conservadores – enquanto Lula está prestes a retornar ao poder no Brasil em outubro próximo.

Essa mudança regional para a esquerda pode trazer maior solidariedade institucional e apoio governamental à Palestina, como foi testemunhado durante a onda de governos esquerdistas da América Latina apelidada de Maré Rosa no final dos anos 1990 e início dos anos 2000.

No entanto, Aljamal alerta que quaisquer possíveis mudanças diplomáticas “não acontecerão da noite para o dia”.

“Se temos líderes emergentes em outros países da América Latina e que são de esquerda, então podemos ter uma tendência que pode levar a algo. Vai acontecer, mas vai levar tempo. Mesmo quando tivemos o que muitos especialistas chamam de década de ouro da solidariedade palestina na América Latina, levou tempo. Não aconteceu da noite para o dia.”

“Agora temos o que parece ser um retorno à política de esquerda na América Latina. No longo prazo, isso pode resultar em mudanças políticas, mas ainda assim a mentalidade de solução de dois estados governa essa solidariedade na América Latina”, acrescentou.

Laços históricos

Para Khoury, que mora há muito tempo em El Salvador, essa maior visibilidade e apoio adicional são inestimáveis.

“As pessoas que apoiam vocalmente nossa causa estão ajudando muito”, disse ele, enfatizando o fato de acreditar que a causa palestina não é uma questão de esquerda ou de direita. “Respeitamos qualquer país que apoie a justiça, e nossa causa é uma causa justa.”

Apesar da apreciação de Khoury pelo apoio verbal em toda a região, seu colega brasileiro acredita que mais precisa ser feito.

“Só o ativismo de rua, que reúne algumas centenas de pessoas, faz muito pouco para mudar a percepção [sobre a causa palestina]”, explicou Rabah.

“A América Latina sempre teve uma posição especial em relação a nós, pois seu povo sofreu ditaduras, sentiu a dor do povo palestino”

Khoury acredita que também existem laços históricos entre a América Latina e a Palestina que são uma força motriz por trás da solidariedade da região com o Estado árabe.

“A América Latina sempre teve uma posição especial em relação a nós, pois seu povo sofreu ditaduras, sentiu a dor do povo palestino. Nós [palestinos] sempre tivemos apoio popular”, disse.

Inigo Alexander é um jornalista freelancer cujo trabalho se concentra na Espanha, América Latina e justiça social. Seu trabalho apareceu no The Guardian, The Daily Telegraph, The Local e NACLA, entre outros.

* Reportagem originalmente publicada na edição eletrônica de The New Arab de 1 de julho de 2022

Notícias em destaque

21/07/2022

RS terá dia e mês da Comunidade Árabe

O que já é uma data no calendário nacional – a Lei Federal nº 11764/08 [...]

LER MATÉRIA
07/07/2022

Sessão Solene na Câmara dos Deputados lembra os 74 anos da catástrofe palestina

Em sessão solene realizada ontem, quarta-feira, às 11 horas, a Câmara dos [...]

LER MATÉRIA
05/07/2022

O ressurgimento da esquerda na América Latina desperta esperanças de solidariedade à Palestina

Em profundidade: Nos últimos anos, muitos países da América Latina evitaram [...]

LER MATÉRIA
27/06/2022

ONG palestina denuncia Israel por tortura sistemática aos prisioneiros palestinos

A Iniciativa Palestina para a Promoção do Diálogo Global e a Democracia [...]

LER MATÉRIA
24/06/2022

ONG palestina de direitos humanos Al-Haq recebe prêmio internacional na Áustria

A organização palestina de direitos humanos Al-Haq, sediada em Ramallah, [...]

LER MATÉRIA
15/06/2022

FEPAL discute Questão Palestina com Guilherme Boulos

A vice-presidente da Federação Árabe Palestina do Brasil – FEPAL, [...]

LER MATÉRIA