Presidente palestino pede à ONU conferência internacional de paz, proteção aos palestinos e responsabilização de EUA e Inglaterra pelos crimes contra o povo palestino

Leia a íntegra do discurso de Abbas na 78ª seção da Assembleia Geral das Nações Unidas

22/09/2023

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, apelou ontem, ao discursar na 78ª seção da Assembleia Geral das Nações Unidas, à ONU que convoque uma conferência internacional de paz para acabar com a ocupação israelense garantir a existência do Estado Palestino e pediu proteção ao povo palestino. Abbas também afirmou que seguirá os esforços por responsabilização de EUA e Inglaterra pelas consequências da Declaração Balfour (1917) na Nakba (catástrofe) palestina, que já dura 75 anos.

“À luz do impasse no processo de paz devido às políticas de Israel, viemos perante vós para apelar novamente à realização de uma conferência internacional de paz, na qual participarão todos os países preocupados em alcançar a paz no Médio Oriente. Por isso, peço à sua estimada organização e ao Secretário-Geral, Sr. António Guterres, que apelem e tomem as medidas necessárias para convocar esta conferência de paz, que pode ser a última oportunidade para salvar a solução de dois Estados e evitar que a situação se deteriore mais seriamente, ameaçando a segurança e a estabilidade da nossa região e do mundo inteiro”, disse ele.

Abbas disse que o governo israelense de ultradireita continua a atacar, intimidar e matar palestinos. seja por meio de seu exército, seja através dos colonos, que classificou de terroristas, destruindo casas e propriedades e roubando dinheiro e recursos palestinos.

“Apelo também à sua organização e ao Secretário-Geral para que atuem para implementar as resoluções que proporcionam proteção ao povo palestino das constantes agressões do exército de ocupação e dos colonos terroristas israelenses, bem como para apoiarem a nossa abordagem nos tribunais internacionais e órgãos competentes, porque a situação atual é intolerável e insustentável”, afirmou.

Para Abbas, é chocante que enquanto discursa na ONU, “o governo racista de direita israelense continua seus ataques ao nosso povo e, através do seu exército e dos seus colonos terroristas racistas, continua a intimidar e matar o nosso povo”. O presidente palestino reclamou que “isto está sendo feito à vista do mundo, e sem qualquer dissuasão, punição ou responsabilização, e os líderes e ministros deste governo têm até se gabado das suas políticas de apartheid sobre o nosso povo sob ocupação”.

A Palestina seguirá buscando, nos organismos internacionais, responsabilizar Israel pelos crimes contra o povo palestino e obter compensações, disse Abbas, acrescentando que esta busca será também “contra tanto a Grã-Bretanha como a América (EUA) pelo seu papel na fatídica Declaração Balfour, e contra todos os que tiveram um papel na catástrofe e tragédia do nosso povo”. Segundo Abbas, estes atores internacionais devem reconhecer seus papeis na catástrofe palestina, pedir desculpas e arcar com reparações e compensações, conforme o direito internacional.

A onda de violência e criminalidade em áreas palestina nas áreas tomadas por Israel em 1948 também foi condenada por Abbas, acusando as autoridades israelenses de total responsabilidade. Segundo ele, Israel promove “disseminação deliberada de armas, drogas e assassinatos criminosos que ocorrem em cidades palestinas dentro de Israel, parte do que está a espalhar-se pelas nossas áreas, criando uma grande ameaça à segurança social dos palestinos em todo o nosso território”.


Segue o texto oficial do discurso do Presidente:

Em nome de Deus, o mais gracioso, o mais misericordioso

Sua Excelência o Senhor Dennis Francis, Presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas,

Sua Excelência o Senhor António Guterres, Secretário-Geral das Nações Unidas,

Senhoras e Senhores, Chefes e Membros de Delegações,

Que a paz, as bênçãos e a misericórdia de Deus estejam com vocês,

Mais uma vez venho até vós carregando a causa do meu povo, que luta pela liberdade e pela independência, para vos recordar a tragédia causada pela Nakba desde há setenta e cinco anos, cujos efeitos continuam a ser exacerbados pela ocupação israelense do nosso território. Esta ocupação que desafia as suas resoluções que ultrapassaram mil, viola os princípios do direito internacional e da legitimidade internacional, ao mesmo tempo que corre contra o tempo para mudar a realidade histórica, geográfica e demográfica no terreno, com o objetivo de perpetuar a ocupação e consolidar o apartheid.

Apesar desta dolorosa realidade, e trinta anos depois dos Acordos de Oslo, que Israel descartou totalmente, ainda mantemos a esperança de que a sua estimada organização será capaz de implementar as suas resoluções exigindo o fim da ocupação israelense do nosso território e a realização da independência do Estado plenamente soberano da Palestina, com Jerusalém Oriental como capital, nas fronteiras de 4 de junho de 1967, bem como resolver a questão dos refugiados palestinos, de acordo com as resoluções de legitimidade internacional, especialmente a Resolução 194 da Assembleia Geral (III), e as resoluções relevantes da Assembleia Geral e do Conselho de Segurança, todas as quais afirmam a ilegalidade da ocupação israelense e dos seus colonatos, em particular a resolução 2334 (2016), e a Iniciativa de Paz Árabe.

Senhoras e senhores,

Enquanto estou aqui diante de vocês, o governo racista de direita israelense continua a atacar o nosso povo e, através do seu exército e dos seus colonos terroristas racistas, continua a intimidar e a matar o nosso povo, a destruir casas e propriedades e a roubar o nosso dinheiro e recursos. Isto está a ser feito à vista de todo o mundo, e sem qualquer dissuasão, punição ou responsabilização, e os líderes e ministros deste governo têm até se gabado das suas políticas de apartheid contra o nosso povo sob ocupação.

O governo de ocupação também persiste em violar a cidade de Jerusalém e o seu povo, atacando os nossos locais sagrados islâmicos e cristãos e violando o estatuto histórico e jurídico dos locais sagrados, especialmente a Mesquita de Al-Aqsa, que a legitimidade internacional reconheceu como um lugar exclusivo de culto apenas para os muçulmanos, incluindo o salão de orações Bab Al-Rahma e o Muro Al-Buraq, de acordo com um relatório da Liga das Nações em 1930.

A potência ocupante também está a cavar túneis febrilmente sob e em torno da Mesquita de Al-Aqsa, ameaçando o seu colapso, ou o colapso de partes dela, o que levará a uma explosão com consequências incalculáveis. Alertamos repetidamente contra a transformação do conflito político num conflito religioso, pelo qual Israel assumirá total responsabilidade. Apelo por este meio à comunidade internacional para que assuma as suas responsabilidades na preservação do estatuto histórico e jurídico de Jerusalém e dos seus lugares sagrados, especialmente a Mesquita de Al-Aqsa e a Igreja do Santo Sepulcro.

Aqui pergunto-me: por que permanecer em silêncio sobre todas as violações flagrantes do direito internacional que estão a ser cometidas por Israel, a potência ocupante? Por que não é sujeito a uma responsabilização séria, por que não lhe são impostas sanções por ignorar e violar resoluções internacionais, como é o caso de outros países? Por que praticar padrões duplos quando se trata de Israel? Por que aceitar que Israel é um estado acima da lei? Não é hora de responder a essas perguntas?

Pela nossa parte, persistiremos na nossa busca de responsabilização e justiça junto dos organismos internacionais relevantes contra Israel devido à contínua ocupação israelense da nossa terra e aos crimes que foram cometidos e continuam a sendo cometidos contra nós, bem como contra tanto a Grã-Bretanha como a América (EUA) pelo seu papel na fatídica Declaração Balfour, e contra todos os que tiveram um papel na catástrofe e tragédia do nosso povo, apelando ao reconhecimento, pedido de desculpas, reparações e compensações de acordo com o direito internacional.

Senhoras e senhores,

À luz do impasse no processo de paz devido às políticas de Israel, viemos perante vós para apelar novamente à realização de uma conferência internacional de paz, na qual participarão todos os países preocupados em alcançar a paz no Médio Oriente. Por isso, peço à sua estimada organização e ao Secretário-Geral, Sr. António Guterres, que apelem e tomem as medidas necessárias para convocar esta conferência de paz, que pode ser a última oportunidade para salvar a solução de dois Estados e evitar que a situação se deteriore ainda mais gravemente, ameaçando a segurança e a estabilidade da nossa região e do mundo inteiro.

Apelo também à sua organização e ao Secretário-Geral para que atuem no sentido de implementar as resoluções que proporcionam proteção ao povo palestino contra as constantes agressões do exército de ocupação e dos colonos terroristas israelenses, bem como para apoiarem a nossa abordagem nos tribunais internacionais e órgãos jurisdicionais, porque a situação atual é intolerável e insustentável.

Senhoras e Senhores, face a tudo o que Israel está fazendo, destruindo sistematicamente a solução de dois Estados, tornou-se necessário, para salvar esta solução, apelar aos Estados-Membros da vossa estimada organização, cada Estado, na sua capacidade nacional, para tomar medidas práticas com base nas resoluções relevantes de legitimidade internacional e no direito internacional. Apelo também aos Estados que ainda não reconheceram o Estado da Palestina para que declarem o seu reconhecimento e para que o Estado da Palestina seja admitido como membro pleno das Nações Unidas.

Não posso compreender, nem aceitar, que alguns estados, incluindo os Estados Unidos e os estados suropeus, estejam relutantes em reconhecer o Estado da Palestina, que as Nações Unidas aceitaram como Estado observador. Estes estados confirmam todos os dias o seu apoio à solução de dois estados, mas reconhecem apenas um deles, que é Israel. Por que? Qual é o perigo que representa o Estado da Palestina obter adesão plena às Nações Unidas? Israel goza deste reconhecimento internacional, embora não tenha cumprido as condições para a sua adesão às Nações Unidas, nomeadamente a implementação das resoluções 181 (II) e 194 (III). Apelamos, portanto, à sua estimada organização para que tome medidas dissuasivas contra Israel, até que cumpra as suas obrigações que foram apresentadas numa declaração escrita do seu Ministro dos Negócios Estrangeiros, àquela altura.

O nosso pedido é em prol da paz e da justiça, e por respeito ao direito internacional, à legitimidade internacional e a esta estimada organização.

Senhoras e senhores,

O nosso povo defende a sua pátria e os seus direitos legítimos, através da resistência popular pacífica como opção estratégica de autodefesa e para libertar a terra de uma ocupação colonial que não acredita na paz e não respeita os princípios da verdade, da justiça e valores humanos. Continuaremos a nossa resistência a esta ocupação brutal até que ela seja derrotada em nossas terras.

Senhoras e senhores,

Estamos a gerir os nossos assuntos em circunstâncias extremamente difíceis e complexas, como resultado das restrições que nos são impostas pela potência ocupante, que nos impede de aceder aos nossos recursos naturais, retém ilegalmente o nosso dinheiro e continua o seu cerco ao nosso povo na Faixa de Gaza, com o consequente agravamento do sofrimento do nosso povo.
Além disso, Israel tem total responsabilidade, através do seu controle sobre todos os pontos de passagem e linhas divisórias entre a Cisjordânia ocupada e os seus arredores, e pela disseminação deliberada de armas, drogas e assassinatos criminosos que ocorrem em cidades árabes dentro de Israel, parte do que está a espalhar-se pelas nossas áreas, criando uma grande ameaça à segurança social dos palestinos em todo o nosso território.

Devo dizer-vos que enquanto continuarmos a sofrer sob a abominável ocupação israelita, continuaremos a precisar de assistência financeira da comunidade internacional, para além da prestação crucial de apoio financeiro à Agência das Nações Unidas de Assistência e Obras aos Refugiados da Palestina (UNRWA). Estamos gratos à comunidade internacional pelo apoio que nos tem dado para a construção do nosso Estado e da nossa economia, e esperamos a continuação deste apoio até que a ocupação termine e possamos contar com nós próprios.

Senhoras e senhores,

As nossas instituições do Estado estão envolvidas num processo abrangente de desenvolvimento e reforma e, neste contexto, estão a cooperar com instituições internacionais e com os nossos parceiros na região e no mundo.

Realizamos recentemente eleições autárquicas, eleições para instituições, federações, sindicatos e outras. Existe um comitê especializado para desenvolver o setor da justiça na Palestina. A sociedade civil também está desempenhando o seu papel no sentido de acrescentar vitalidade ao nosso sistema político. Tudo o que nos resta é realizar eleições gerais democráticas, como as realizadas em 1996, 2005 e 2006. Mas o governo israelense está obstruindo isso com a sua decisão de impedir a realização de eleições em Jerusalém Oriental, apesar da intervenção significativa de muitos países, bem como de organizações regionais e internacionais, para permitir que o nosso povo palestino em Jerusalém vote e concorra nestas eleições. Hoje, renovamos a nossa rejeição a qualquer posição que nos responsabilize pela não convocação destas eleições, que são uma necessidade palestina, que queremos hoje antes de amanhã.

Face a esta posição intransigente do governo israelense, continuaremos a abordar os organismos internacionais relevantes para responsabilizar o governo israelense e forçá-lo a permitir-nos a realização destas eleições há muito esperadas.

Senhoras e senhores,

Em maio passado, participei da comemoração do septuagésimo quinto aniversário da Nakba palestina, uma tragédia reconhecida por esta augusta organização. No entanto, este doloroso aniversário continua a ser ignorado e negado por Israel, que é o principal responsável por esta Nakba. Apelo-vos hoje a criminalizar a sua negação e a designar o 15 de maio de cada ano como um dia internacional para recordar o seu aniversário, para recordar as vidas das centenas de milhares de palestinos que foram mortos em massacres cometidos por gangues sionistas e cujos povoados foram demolidas e que foram deslocados à força das suas casas, com os seus números atingindo 950.000 pessoas, o que constituía mais da metade da população palestina na época. Isto é o mínimo que as Nações Unidas deveriam fazer em homenagem a estas vítimas e na condenação desta tragédia humana.

Senhoras e senhores,

Durante vários anos, apresentamos a nossa narrativa palestina e a história do nosso povo, que foi deliberadamente distorcida pela propaganda sionista e israelense. Estamos aliviados pelos povos do mundo e muitos dos seus países terem começado a acreditar na nossa narrativa e a simpatizar com ela, depois de terem sido enganados durante décadas. Agradecemos a todos aqueles que contribuem com a partilha desta narrativa e a todos os que a apoiam e simpatizam. Agradecemos também às pessoas de consciência em todo o mundo que hoje defendem os direitos palestinos e apoiam a luta do nosso povo pela liberdade e independência.

Senhoras e senhores,

A minha mensagem hoje aos Israelenses é que esta ocupação hedionda contra nós não durará, independentemente das suas ambições e ilusões, porque o povo palestino permanece nas suas terras, que habita há milhares de anos, geração após geração, como novamente confirmado por uma resolução recente da UNESCO sobre a cidade de Jericó. Eles não podem deixar as suas terras, e se alguém tiver de sair, serão os ocupantes e usurpadores.

A minha mensagem à comunidade internacional é que esta deve assumir as suas responsabilidades com toda a coragem e implementar as suas resoluções relacionadas com a realização dos direitos palestinos.

Finalmente, dirijo-me a todo o nosso povo na Palestina, nos campos de refugiados, na diáspora e em todos os lugares deste vasto mundo, com as mais altas expressões de apreço e gratidão pela sua firmeza e insistência em defender a sua justa causa e os seus direitos, e presto homenagem aos nossos justos mártires, aos nossos bravos prisioneiros e aos nossos heroicos feridos, e digo a todos: um direito nunca se perde quando há uma exigência por trás dele, e a vitória é nossa, e celebraremos a independência de nosso Estado em Jerusalém, nossa eterna capital, a joia da coroa e a flor das cidades.

Eles veem como impossível e nós vemos como inevitável.

Se Deus quiser, que a paz, a misericórdia e as bênçãos de Deus estejam com você.

Notícias em destaque

27/05/2024

Repórteres Sem Fronteiras apresenta terceira queixa ao TPI sobre crimes de guerra israelenses contra jornalistas em Gaza

Apresentada em 24 de Maio, três dias antes do nono aniversário da Resolução [...]

LER MATÉRIA
26/05/2024

A humanidade precisa parar “israel” como parou o nazismo: pelas armas

Os horrores testemunhados pela humanidade hoje, em Rafah, extremidade sul [...]

LER MATÉRIA
15/05/2024

Ato na Assembleia Legislativa de SP relembra 76 anos da Nakba denuncia genocídio na Palestina

Na segunda-feira à noite, mais de duzentas pessoas, dezenas delas [...]

LER MATÉRIA
11/04/2024

Caiado e Tarcísio em Israel: uma viagem muito estranha e sem respostas.

Uma viagem estranha, que teve por objetivo inicial prestar apoio e [...]

LER MATÉRIA
05/04/2024

Prefeitura de São Leopoldo reinaugura Praça Palestina.

Nesta terça-feira, 2 de abril, realizou-se a cerimônia de entrega da obra [...]

LER MATÉRIA
01/04/2024

Lula é agraciado com comenda Hanna Safieh de Direitos Humanos, um dos fundadores da FEPAL

O professor de origem palestina Hanna Safieh, um dos mais importantes [...]

LER MATÉRIA